Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Ilhas Vagas

Victor Vasarely
*
O arquitecto traçou a linha

O obreiro fraterno

Ergueu o Templo.

*

A caricatura ficou clara

Na manhã secreta...

Dos homens.

Copistas do Reino

Claramente evasivos,

Subversivos, portanto...

*

Não navegaremos

Sentados que estamos

Imóveis no tempo

Náufragos na memória!

*

Uma sonolência vaga

Sobrevoou...

Sobre o delírio geral.

*

A ironia, arma branca,

Aflora veladamente...

O sono dos justos.

Os interesses, humanamente

Interessados, interessantes.

*

E, os homens

Aportaram, então,

Num cais longínquo

Onde o mundo recomeçava

Límpido, na madrugada.

Junho/1991

Recordas este texto?
Estávamos sentadas há horas na sala do Conselho Pedagógico...eu, tão jovem como rebelde, e tu, como sempre, exalando uma vitalidade e alegria que, os que conheciam a tua vida sinuosa e difícil, tinham que considerar paradoxal. Ouvíamos uma outra Reforma, com os mesmos actores, na mesma Escola e ríamos de conversas laterais.
Já ninguém estuda, ali, o Alemão que te encantava. Já ninguém ri nas reuniões que se prolongam na sua extensa inutilidade. Já não nos ocorre dizer «a nossa Escola» - agora dizemos de forma asséptica, «a escola»...
Saíste há três anos roída pelo teu sonho de menina coimbrã e burguesa - falavas com tanto orgulho do teu pai médico! Saíste minada pela doença e pela tua caminhada frágil.
Oxalá aportes, hoje, no tal «cais longínquo», após as tuas seis décadas de vida, e possas retomar o orvalho de uma primavera distante que, lamento dizer, não sei se existe...
Adeus - ou em Deus - Fernanda.
Ana

3 comentários:

Bipede Implume disse...

Amiga Ana
Também tenho essa sensação de gostar, cada vez mais, de "aportar num cais longínquo onde o mundo recomeçava límpido, na madrugada".
Contudo com aquela esperança tão portuguesa esperemos melhores dias.
Aproveita bem o fim de semana e o resto dos dias de sol que ainda temos.
O Jardim Botânico Tropical fica em Belém e vale mesmo a pena visitar.
Beijinhos.

Anónimo disse...

Beautiful poem Anna.

This bit left me thinking a lot: "Os objectos primários
Que não enchem a alma,
Mas destroem uma íntima paisagem..."

You know? I have that poster in my living room :) "El vendedor de alcatraces" Beautiful

meus instantes e momentos disse...

lindo......dizer mais o que?
Maurizio