Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Fascínio


Amadeu de Souza-Cardoso

Quero amar o silêncio
E conceber nele a ideia mais pura,
Porque desse sonho imenso
Há-de brotar a frescura!

Perfume e encanto,
Fascínio e dor...
Rosário de pranto,
Sacrifício de Amor.

Quero sofrer esse Tudo
E entregar nele um gesto mudo,
Porque dessa dádiva total
Há-de renascer o Ideal!

Criança e mar...
Desejo e lamento,
Abismo de dar...
Cruz sem sofrimento!

Ana

16 comentários:

Gerana Damulakis disse...

Um poema forte que pede imediata releitura. Assim o fiz, excelente!

Vi as fotos, mar azul, casas brancas: ilhas gregas.

Bipede Implume disse...

Olá querida Aninha
Vamos lá a ver se agora não me acontece mais nada.
A constipação está a melhorar, não tenho dores no pescoço, enfim, volto ao meu normal eu.
Que engraçado, sem saber, hoje postei também fotografias de árvores tiradas no Convento dos Capuchos, em Sintra.
De vez em quando também adoro o silêncio.
Adoro este teu poema , e o outro da "Cavalgada", lindo, lindo.
O que também está lindo é o teu banner. Fabuloso.
Beijinhos e muito carinho para ti.
Isabel

Angelo Morgado disse...

O fasciniodos teus pensamentos!!!
continua nos ca estamos para te ler!!!

LUNA disse...

É um poema muito bonito, de coisas simple, geram sentimentos grandes,
Assim é o amor....
Um beijinho

Cristina disse...

O novo banner, splendido!
Lindo poèma,Ana.
Bom noite, beijinhos.

maria farrusca disse...

As palavras existem para todos. Para alguns, são úteis, servem para viver o quotidiano. Para outros, são essenciais, servem para respirar, expressar, sentir, comunicar. Parece-me que é neste
último caso que te encontras... Parabéns, as tuas palavras transbordam de afectos.

ParadoXos disse...

tuas palavras de ler e levar no pensamento!


poderoso documento poético!!


abraço terno

Meg disse...

Quero amar o silêncio...
Quantas vezes ele nos faz falta!
Toca-me tanto a grande sensibilidade do poema como a belíssima tela do Souza-Cardoso.

Um abraço

Fernando Campanella disse...

Boa tarde, Ana. Linda foto, poema com a alma de Florbela. Grande abraço.

EternaApaixonada disse...

Querida amiga irmã Ana

Já ao entrar adorei a imagem de abertura!
Que doçura! Uma linda escolha para embelezar o Rara Avis!
E ao ler seu poema deixou-me fascinada!
Será devidamente levado comigo para o ler sempre!
Ressalto:

..."Quero sofrer esse Tudo
E entregar nele um gesto mudo,
Porque dessa dádiva total
Há-de renascer o Ideal!"...

Meu carinho e admiração.
Boa sexta feira!
Beijos

Sara disse...

Eu até tenho medo de falar para si agora, que o meu teste deve estar aí uma bela coisa...
Mas belo poema, como sempre!
Beijinhos

Andradarte disse...

Poema inquietante....fiquei
a pensar...
Beijo

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Cof... Cof.. um bocadinho de tosse, já muito ténue e aqui estou para deixar minha ternura e desejo que o fim de semana dê para descansar.
Deixo-te a saudação da Ordem dos Frades Menores: Pax et Bonum.
Paz e bem.
Beijinhos
Isabel

ADRIANO NUNES disse...

Ana,


Belíssimo! Parabéns!



Grande abraço,
Adriano Nunes.

Juℓi Ribeiro disse...

Querida amiga Ana:

Maguinífico poema!
Com o teu encanto de poetizar...
Beijo.

veredit disse...

Liebe Ana,

ein wunderschönes neues Banner und ein tiefes ergreifendes Gedicht.

Beijinhos
Isabella