Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Todo o existente nasce sem razão


foto: Karim Kadim, 25/09

«Todo o existente nasce sem razão, prolonga-se por fraqueza e morre por encontro imprevisto.»

Jean Paul Sartre

7 comentários:

LUNA disse...

Eu acho que as guerras, nascem sem razäo, seguen sem razäo e demoram sem razäo en acabar....
É muito triste e cruel.
Um beijinho

Antoniatenea disse...

Qué triste razón tiene Sartre!
Un abrazo!!

Meg disse...

Ana,

Venho retribuir a amável visita e as palavras bonitas que deixou e que muito me honraram.
Andei por aqui... e gostei muito.
A Poesia mora aqui, e não imagina como estou a gostar de a ler.
Quanto ao post de hoje, são imagens brutais, dos nossos dias, que de poético não têm nada, por isso nos remete para JPS...

Só que, infelizmente, estes "encontros" há muito deixaram de ser imprevistos.

Um abraço

Nilson Barcelli disse...

Pouco ou nada percebo de filosofia para comentar o conceito do Jean Paul Sartre.
Mas a violência extrema, como a que a fotografia mostra, é vazia de razão.
Boa semana.
Beijos.

Flor ♥ disse...

Grande insensatez todo esse mal que nos assola.

Bjs.

Fernando Campanella disse...

Sim, quando vemos cenas como esta da foto, o existencialismo do Sartre parece ser apropriado. È quando a inocência, a própria vida, paga por forças nefastas. Mas a vida tem que aprender a respeitar a vida. Um abraço.

EternaApaixonada disse...

Ana

Sensibilidade forte... Boa escolha para trazer mais um momento de reflexão...
Beijos