Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O sagrado e o profano

William Blake, 1826


Assim é o título que hoje escolhi, assim é o título da famosa obra de Mircea Eliade, que de Bucareste se fez a Lisboa e rumando a Saint-Cloud, nos deixou, nos anos cinquenta, essa obra que de tempos em tempos releio, à procura de velhos sublinhados.
A distorção europeia tende a confundir religião com cristianismo. Assim, para viver no mundo «é preciso criar o mundo»... A dicotomia cristã entre o bem e o mal parece obrigar à escolha impossível, porque inseparável por natureza.
Discorro, pois acabei hoje de ler Caim de José Saramago e os meus alunos reclamam uma opinião de leitora. Não a posso dar e os motivos são múltiplos: estou afónica; quero que formem as suas opiniões; a religião inquieta-me, mas não olho uma obra literária por esse prisma; li cada obra de Saramago (todos conhecem a minha compulsão pela leitura e a minha obrigação de ler os autores portugueses) e gosto da sua linguagem que narra contando naquela lógica de um pensamento que discorre sem perder a lucidez.
O narrador prende-me, encanta-me, mas não me seduz, porque prefiro a escrita de regime diurno das imagens literárias.
Caim em nada me escandaliza, mas não é o melhor exercício do estilo de Saramago. O tema é recorrente nas artes e, também, na Literatura, isso, deixa-o aquém de outras obras magistrais que o autor nos legou.
Aqui deixo um excerto da página 127 que, decerto não gerará polémicas, infelizmente:

«O seu a seu dono, como é de justiça.Eis o que foi escrito num livro chamado do justo, que actualmente ninguém sabe onde pára.»




11 comentários:

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Também já comecei a ler o Caim de Saramago que me faz lembrar (ele, Saramago), por antítese, "O drama de João Barois" de Roger Martin du Gard.
Quanto à tua serenidade, também recordo que em Moçambique se chamava "calema" à calma das águas do Indico, apenas na superfície, porque por dentro eram também um turbilhão.
Desejo as melhoras de mais essa gripe. As condições de trabalho, não são de grande ajuda.
Beijinhos e um fim de semana agasalhadinho.
Isabel

Gerana Damulakis disse...

Queria ser sua aluna. Fui lendo e pensando como eu queria ser sua aluna, Ana. Um texto delicioso. Saramago é meu ídolo (palavra que atualmente tem uma abrangência tal que, para falar de Saramago, preciso usá-la) e Caim, obviamente não atinge a altura de O ano da morte de Ricardo Reis ou A caverna, ou Ensaio sobre a cegueira, mas, sendo Saramago, li com o mesmo prazer. A razão é aquela que vc colocou muito bem: " a lógica do pensamento que discorre sem perder a lucidez". Adorei.

claudio rodrigues disse...

Ana, ótimo texto, preciso, concordo com vc ao afirmar o motivo da religião na literatura. Não se deve ver na literatura um afronta às religiões. Literatura é construção, criação e recriação. Ainda não li o Caim do Saramago, quero tempo. Respondi minhas revelações em forma de trovinhas, vai lá ver? bjos

EternaApaixonada disse...

Minha querida
Espero que melhore logo!
Que seu fim de semana seja para descansar mesmo!
Sempre aprendo tanto com seus posts! Mais um momento rico! Gosto muito de Saramago.

Volto com outro desafio, e sei que vai gostar de fazer.
Vá ao meu blog:
Imagens Etc e Tal

Fica bem, mesmo com chuva curta bem o fim de semana!
Beijos

Sara disse...

Tou a ver que a menina lá da turma que vai apresentar o livro tem muito que se esforçar!
Beijinhos e bom fim de semana

Luma Rosa disse...

Ana, eu prefiro olhar as religiões de uma maneira filosófica e sagrada! Respeitando e deixando os questionamentos para os estudiosos, pois à mim, a minha substância não mudou em nada, todas as vezes que entrei em contato com alguma.
Essa dicotomia que também separa as pessoas em boas e más, não é?
Ainda não li Caim, infelizmente!
Melhoras! Beijus,

LUNA disse...

Ana, espero que tu estejas melhor.
Cuidate.
Saramago é o meu escritor preferido para lêer en portugués.
Eu acho que näo devemos misturar a literatura con o sentido filosófio das regigiës, ainda ue seja con sentido novelado.
Näo tive oportunidade de ler esse livro de Saramago, mas ponho la lista....
Um beijinho

LUNA disse...

Ana, espero que tu estejas melhor.
Cuidate.
Saramago é o meu escritor preferido para lêer en portugués.
Eu acho que näo devemos misturar a literatura con o sentido filosófio das regigiës, ainda ue seja con sentido novelado.
Näo tive oportunidade de ler esse livro de Saramago, mas ponho la lista....
Um beijinho

Fernando Campanella disse...

Bom dia, minha amiga, já respondi teu desafio lá em meu blog no sábado.
Tenho um livro comigo ao qual sempre retorno quando preciso de uma visão mais espiritualista do mundo. Um retorno aos 'sublinhados', como você diz. O livro intitula-se 'Meditações sobre os 22 Arcanos Maiores do Tarô', autor desconhecido. Uma obra definitiva sobre a Cabala Cristã. Mircea Eliade é maravilhosamente citado lá.

Bjinhos, melhoras pra vc.

Andradarte disse...

Não consigo ler Saramago. Falta
de preparo certamente.
Não sabia da gripe;sinceras e
rápidas melhoras.
Beijo

Flor ♥ disse...

Aninha... estou com este livro comprado, mas ainda não consegui começar a leitura. Acho que vou esperar por janeiro, com férias à vista. Gosto de Saramago, mas ele requer uma calma para ser digerido, coisa que, no momento, não tenho tido. Melhoras da gripe! Se cuida!

Uma semana de paz!

Bjs.