Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 29 de novembro de 2009

O Corpo

Luís Ponte




CML - Avenida da Liberdade





A sala é rectangular, repleta de uma luz plena de meio dia.
Duas portas - janelas abrem-se sobre as copas de árvores. Só vejo verde escuro de jacarandás sem flor. A cor marfim das paredes é suave e os quadros têm um bom gosto asséptico.
As cadeiras em volta de uma mesa baixa ficam longe demais das revistas usadas. Ninguém arrisca levantar-se para agarrar numa. Do meu lado direito, a mulher jovem telefona compulsivamente. O castanho mel dos seus olhos repousa num leito levemente avermelhado. Chorou há pouco, talvez. Do meu lado esquerdo um casal, acima dos sessenta, aperta uma pasta de exames e pergunta pelo médico de serviço. O veredicto deve ser rápido, solicita o homem habituado a controlar as situações e a proteger a mulher magra. É o único homem. Outras mulheres que vestem castanhos diversos. A quase adolescente meneia a cabeça ao som do mp3 que lhe entra no cérebro e disfarça, com um olhar negro e triste, o facto de estar naquele lugar de mulheres. Ela tem o problema, penso com melancolia.
A esta hora José come castanhas fumegantes, fuma ou talvez vaguei na loja dos museus, ali aos Restauradores. Quero sempre ficar sozinha, mas tenho um medo irracional de felino aprisionado.
Aqui, Avenida da Liberdade. Prédio velho, mas belo...quase familiar. Sem poesia. O corpo, agora nu, esmiuçado pela máquina digital. O corpo, frágil máquina em revisão.
Fico tonta. As salas são labirintos entre corredores estreitos e eu só sei de lugares abertos que não me aprisionem.
Agora vestido, o corpo é, outra vez, eu!
Desço as escadas, a luz atordoa-me. José está ali. Vamos! Quero ir.
O corpo frágil, ágil, vai.

Ana
BR8WW4TRFRKA


sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Diversidade

Escher


Como é diferente o gesto,
Quase bizarro, quase grotesco,
Nos dedos da tua mão intelectual!
Como te tornaste panfleto e manifesto
E procuraste um espírito conceptual
Onde sempre pões um sublime-picaresco!

Vulgarizaste a tua extravagância,
Chama-lhe, então, originalidade!
Os teus dedos, mentira de um tempo;
O teu perfume, artificial fragrância,
De uma vaidade de momento...
Gesto fútil da tua superior-mediocridade!

Intelectual:mentira verdadeira e ideal;
Sonho de ascendência neurótica e fugaz;
Dispersão obscura da lógica humana...
Essa tua análise, idiota e estrutural,
Do teu rumo de existência falaz,
Onde a rota é supérflua e insana.

Ana


Escher

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

hispano - árabes


PICT0233 por jose.tapadas.

Souk de especiarias, Marrocos, José Tapadas/09


Meu coração acolhe tudo:
é pradaria de gazelas e claustro de monges cristãos,
templo de ídolos e Kaaba de peregrinos,
tábuas da Tora e livro do Corão.
Sigo somente a religião do amor
(...)
Minha única fé, e minha crença, é o amor.

Ode XI - Ibn 'Arabî ( Murcia 1165-1240)

P8170088 por jose.tapadas.

Chefchaoen,Marrocos, José Tapadas/o9


Os poetas hispano-árabes são um manancial de musicalidade e de tolerância. O Alentejo viu nascer alguns. Perdê-los no esquecimento é uma tentação perigosa - negação de nós mesmos e desta proximidade suave com cheiro de flores de laranjeira.

BR8WW4TRFRKA

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O sagrado e o profano

William Blake, 1826


Assim é o título que hoje escolhi, assim é o título da famosa obra de Mircea Eliade, que de Bucareste se fez a Lisboa e rumando a Saint-Cloud, nos deixou, nos anos cinquenta, essa obra que de tempos em tempos releio, à procura de velhos sublinhados.
A distorção europeia tende a confundir religião com cristianismo. Assim, para viver no mundo «é preciso criar o mundo»... A dicotomia cristã entre o bem e o mal parece obrigar à escolha impossível, porque inseparável por natureza.
Discorro, pois acabei hoje de ler Caim de José Saramago e os meus alunos reclamam uma opinião de leitora. Não a posso dar e os motivos são múltiplos: estou afónica; quero que formem as suas opiniões; a religião inquieta-me, mas não olho uma obra literária por esse prisma; li cada obra de Saramago (todos conhecem a minha compulsão pela leitura e a minha obrigação de ler os autores portugueses) e gosto da sua linguagem que narra contando naquela lógica de um pensamento que discorre sem perder a lucidez.
O narrador prende-me, encanta-me, mas não me seduz, porque prefiro a escrita de regime diurno das imagens literárias.
Caim em nada me escandaliza, mas não é o melhor exercício do estilo de Saramago. O tema é recorrente nas artes e, também, na Literatura, isso, deixa-o aquém de outras obras magistrais que o autor nos legou.
Aqui deixo um excerto da página 127 que, decerto não gerará polémicas, infelizmente:

«O seu a seu dono, como é de justiça.Eis o que foi escrito num livro chamado do justo, que actualmente ninguém sabe onde pára.»




Revelações


Recebi da amiga Heloísa o desafio de completar estas cinco frases:


- EU JÁ...


- EU NUNCA...


- EU SEI...


- EU QUERO...


- EU SONHO...


Eis, então, as minhas:


- EU JÁ... vi a morte de frente.


- EU NUNCA... desisti do ser humano.


- EU SEI... que vale a pena viver.


- EU QUERO... a paz.


- EU SONHO... com um mundo melhor.



As regras são designar cinco blogs, que devem indicar de quem receberam o convite.


São eles ( e, hoje, são mesmo ELES):

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Indiferença


Iman Maleki (Teerão)

Vida sem rumo!
Olha o aprumo,
A nova mensagem
Que fica a boiar,
Que paira no ar
À tua passagem!
É crua e brusca
A nova sentença,
A indiferença,
Que tanto te ofusca,
Que dor te traz.
Vida sem rumo,
Vai com aprumo,
Busca a Paz!

Ana

sábado, 14 de novembro de 2009

A Esmo


Rei Cosroes, arte sassânica



Inquietas-te alma - criança,
tantas vezes te fiz lutar...
E farei! Pois farei!
Exigente...(e se o não fora?)
Se eu pudesse exigir;
se não temesse incomodar;
se conseguisse fazer despertar
essas serenidades abstractas;
essas beatitudes beatas!
Revolta? (não, não é isso!)
É o silêncio que incapacita,
que mortifica ...
e não deixa que saibais amar.
Conheceis-vos tão bem
- beatitudes hipócritas! -
que esqueceis o que enalteceis.
Injusta? (eis o que sou.)

Ana


Rei Cosroes, arte sassânica

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Sexta - feira, dia 13

Castelo de Tomar


Na sexta-feira, dia 13 de Outubro de 1307, os templários no reino de França são presos em massa por ordem de Filipe, o Belo.
O grão-mestre Jacques de Molay é capturado em Paris e será morto na fogueira em 18 de Março de 1314.
E...o medo permanece no coração dos homens.


Castelo de Tomar

«Resumo destas últimas considerações:

Ter sempre na memória o mártir Jacques de Molay, grão-mestre dos Templários, e combater, sempre e em toda a parte, os seus três assassinos - a Ignorância, o Fanatismo e a Tirania

Fernando Pessoa

.[in "Escritos Íntimos, Cartas e Páginas Autobiográfias", Europa-América, intr., org. e notas de António QuadrosTexto - * O texto acima reproduzido, "foi apresentado na integra ... na Exposição da Biblioteca Nacional de Lisboa, «Fernando Pessoa - O Último Ano», e "estava na posse do arquitecto Fernando Távora, que o recebera de Alfredo Guisado, amigo e companheiro de Pessoa no Orpheu"]

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

«A vila de onde se vêem os pássaros pelas costas»



MARVÃO



Marvão


Marvão, Alentejo

«A vila de onde se vêem os pássaros pelas costas»


XXVI FESTA DO CASTANHEIRO – FEIRA DA CASTANHA

14 E 15 DE NOVEMBRO DE 2009

castanhas_not

A mais nobre e popular de todas as festas de Marvão está de volta a 14 e 15 de Novembro. Centenas de artistas de animação nas ruas; quatro magustos colocados em sítios estratégicos da vila com excelente castanha assada e vinho da região; mais de 80 postos de artesanato do mais autêntico e português, área de enchidos e queijos; Concurso de Doçaria com castanha na Casa da Cultura; área de compotas, licores, doces caseiros e a tenda dos produtores locais, são motivos mais que suficientes para que não falte a esta chamada irresistível.



Para mais informações contacte o Posto de Turismo de Marvão através do 245.90.91.31 ou do e-mail: turismo@cm-marvao.pt

terça-feira, 10 de novembro de 2009

As viagens são um regresso...


fotografia aqui

Publico, hoje, para os meus amigos, um «post» de Fernando Campanella. Aqui vos deixo a prova viva de que a lusofonia traz num fio da memória a Língua que somos e nos dá um rosto trazido de algures...lá onde nasceram os mitos. Bacia serena de algum mar interno, por onde andámos, velhos persas sem rumo, gregos por ruas de Alexandria quando a cidade vivia um apogeu antigo e rumávamos a Rodes, sabendo que Ítaca estava distante.
Que rumor é este que trazemos na nossa Língua?


http://dawg.nanologica.net/wp-content/uploads/2006/06/alentejo.jpg

nanologica.net
Alentejo



Eu, que não vivi o Alentejo,
que não voei com as cegonhas
sobre suas albufeiras ao entardecer
( nem em suas quintas pernoitei)

e que não cantei odes
à glória de um D.Manuel e suas esquadras
( nem o Tejo naveguei)

que às suas capelas
não me desfiz dos ossos,
não me embriaguei do néctar de seus deuses
nem de sua flor mais bela
em Évora me enamorei,

eu, disso tudo,
por descompasso dos astros,
me privei.

Mas, oh, fado lusitano,
oh, alma dolente e migrante,
tua nostalgia,teu estar nunca estando,
esta sede por outros mundos
eu herdei

Fernando Campanella



http://1.bp.blogspot.com/_U5HBV416zFg/SC46VrJqtYI/AAAAAAAABEs/cvYsEwOOrAg/s400/Blog_Itaca.jpg

MARES NUNCA D' OUTREM NAVEGADOS

Escrever sobre o Alentejo sem nunca ter estado em Portugal? Seria como falar do outono de New England sem ter visto in loco as tonalidades de suas folhas nessa específica estação do ano. Ou como falar dos ursos que em nosso inverno jamais vieram hibernar.

E no entanto falamos. E como poetas, cantamos, em nosso ritmo próprio, tanto as paisagens que nos são peculiares, tão nossas, como as que são de outros. Cantamos nossas montanhas, se as temos, nossas planícies, se as desbravamos, nossa gente com quem convivemos. Mas também descrevemos longos desertos que nunca percorremos, divagamos sobre galáxias que jamais viremos a conhecer: os tais 'mares' nunca d'antes, nunca d'outrem navegados.

"Para conhecer o mundo/ Não é necessário viajar pelo mundo..."*, dizia Lao Tsé. Com esses versos, o velho, lendário, mestre nos leva a refletir sobre o verdadeiro conhecimento, tão difícil como necessário, do eu mais profundo, com seus mitos.

Especialmente quando escrevemos sobre o nosso e os outros mundos, é o espaço mítico que adentramos, a nossa realidade interna, apossando-nos da geografia própria, ou alheia, apenas para transformá-la em símbolos, em matéria de sonho.


Konstantinos Kaváfis em seu poema 'Ítaca' empreende uma viagem a essa ilha grega, porém é um périplo interior, um retorno ao alumbramento dos sonhos que lhe povoam a alma. Não é a Ítaca física, de sua época, com suas vinhas, seu turismo pouco desenvolvido, a que visita, mas a terra de Odisseu, o território mítico:

“...Se te parece pobre, Ítaca não te iludiu.
Agora tão sábio, tão plenamente vivido,
Bem compreenderás o sentido das Ítacas.”

(Ítaca, Konstantinos Kaváfis, trad. de Haroldo de Campos)

Escrevo sobre o Alentejo, pois, sem nunca ter estado em Portugal. Pelo converso, um alentejano poderia escrever sobre Minas sem minha região ter visitado. Eu o entenderia: o imaginário não se limita ao tempo-espaço, tem a sua característica dinâmica por onde tramita todo o universo.

A Pasárgada do Bandeira, a Bizâncio de Yeats... O mito é recorrente, eterno, ultrapassa o humano. Caminha com as próprias, teimosas, pernas, é de todos, e ainda não se fixa, não é prerrogativa de Ítaca, do Alentejo, de Minas, em particular, de ninguém.

Fernando Campanella

Obrigada, Fernando!


quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Σοφία


Castelo do Alandroal (Wikimedia)


Endovélico,
velho deus,
de meus ritos
de menina...
Lusitânia antiga
em ti me abriga.
Maat, minha mãe,
com justiça,
com equilíbrio,
abriga-me
também.


Ana




fonte: Wikimedia

http://repositorio.up.pt/aberto/bitstream/10216/9379/3/jacdiasvol02completo000065991.pdf
http://www.ipa.min-cultura.pt/pubs/RPA/v6n2/folder/415.pdf

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Em Novembro

Kazimir Malevich, O amola-tesouras



Chove...

Mas isso que importa!,
se estou aqui abrigado nesta porta
a ouvir a chuva que cai do céu
uma melodia de silêncio
que ninguém mais ouve
senão eu?

Chove...

Mas é do destino
de quem ama
ouvir um violino
até na lama.

José Gomes Ferreira


tudoben.com

Ficou cinzento este dia três de Novembro. Nuvens pesadas de tensão e de turbulência caem sobre os professores. Foi o mundo que mudou: instalou-se, para fracassar numa espantosa implosão, a experiência não experimentada.
Que me importa isso? Nada.
Lá atrás, na minha infância, em dias assim ...chegava o amola-tesouras e as mulheres vinham em nuvem dirigida por Abel, o alfaiate, para aprimorarem as tesouras que lhes iriam recortar os dias.
Hoje, há nuvens de chumbo que pesam sobre mim e o amola-tesouras assobia com estridências antigas, pelas ruas da minha terra.
Chove.