Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

És o futuro...adolescente!

Boticelli, pormenor 
Digo-te tão facilmente...
A madrugada,
A vida,
O sonho.
Digo-te...
O Amor.
E retrais-te.
Perdeste o hábito das palavras.
Esqueceste a linguagem.
Esvaziaste as palavras.
Ficou-te um gesto nervoso,
Hesitante,
Adolescente!
E, todavia, existem abismos,
Madrigais a vararem o teu peito.
Misturas docemente o sonho,
O real...
E vives!
Agora, se te olhar,
Disfarças mal uma ténue cobardia.
Se te disser:
«Dei-te uma hora de mim.».
Ficas calado,
Mudo,
Não entendes.
Tu nunca entendes,
Porque em ti desperta a Vida!


 Ana

6 comentários:

Andradarte disse...

Lindo Ana...Maravilhoso...Adorei.
Beijo

JPD disse...

Magnífico.
Bela inspiração.
Bjs, Ana

ETERNA APAIXONADA disse...

Sempre uma linda página, querida Aninha!
Tenha um bom restinho de semana...
(Sem correria...sim?)
Beijos

Decio Bettencourt Mateus disse...

Maravilha!, A. Tapadas.

Rita disse...

Sim realmente agora já dá para ler sem dificuldade xD
Gosto bastante ;)

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Adolescência, um labirinto de emoções.
Mais um belo poema neste dia tão frio e cinzento.
Beijinhos, um excelente fim de semana junto à lareira, imagino.
Mais beijinhos
Isabel