Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 16 de julho de 2011

Minha Fé

Wassily Kandinsky



Esperando a surdina suave
Que à alma a espera mitiga.
Olho com ciúme o voo da ave
E o ciúme a alma castiga...
Esperando o suave deleite
De ter-te e ver-te a meu lado.
Minha fé: mãe amamentando a seu leite;
Lavrador empunhando o seu arado!


Ana

11 comentários:

Rogério Pereira disse...

Partilho
A espera e a fé
Ciume de voo? Não
Tenho asas (embora dormentes)

Achas prudente voar agora?

Olinda Melo disse...

Voltando ao princípio das coisas simples e naturais? Mãe que amamenta,lavrador que lavra.

A imagem documenta bem a atitude de espera em clara dissonância com o voo das aves, liberdade pura.É natural o ciúme...

Belos versos, querida Ana.

Beijo
Olinda

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Ana, gostei da tua fé...Espectacular....
Mulher, Sempre Mulher
"Mulheres românticas, apaixonadas, inovadoras. Mulheres que sonham e que lutam por uma realidade melhor. Mulheres que amamentam, que cuidam da casa e que fazem política. Mulheres que andam pelos caminhos da ciência, mas que não esquecem Deus. Mulheres que crêem na sorte e outras que vivem uma realidade desoladora. Mulheres que passeiam no shopping e mulheres sem terra. Mulheres que vendem o corpo e outras tantas que vendem a alma. Mulheres cheias de graça e mulheres que a vida tornou rude. Mulheres vaidosas, mulheres femininas e feministas. Mulheres que aprenderam a lutar e mulheres dondocas. Mulheres engenheiras, políticas, mulheres de fé e mulheres renovadoras. Mulheres inovadoras, transformadoras e mulheres sem trabalho. Mulheres na NASA, cientistas, pesquisadoras e mulheres que sonham. Mulheres que abrem portas, mulheres no motel, na cadeia. Mulheres que choram pelos filhos e mulheres na academia. Mulheres que buscam milagres e que lutam pela vida. Mulheres que formam família, mulheres avós e mulheres vazias. Mulheres que sabem cozinhar e mulheres rendeiras. Mulheres que amam e que choram. Mulheres que sabem e que nunca se omitiram. Mulheres bruxas e mulheres fadas. Agarradas a um misto de sonhos e de realidades. Mulheres que tem fé e arrancam a vida com as mãos: Hoje é seu dia!!!! Cada uma em seu caminho, cada uma com sua opção mas nunca deixando de ser MULHER..."
Autor: ( Desconhecido )

Cumprimentos

Anónimo disse...

What words..

Ana Tapadas disse...

Se voltarmos às coisas simples e naturais...é sempre possível voar...
Bom Domingo, amigos!

(Para variar, trabalho...)


bjs

Andradarte disse...

Costuma dizer-se....a fé é que
nos salva....
Beijo

Antoniatenea disse...

hay un existencialismo brillantemente expresado en tus palabras:
"Minha fé: mãe amamentando a seu leite;
Lavrador empunhando o seu arado!"
Me parece genial!
Un beso!

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Eu consigo voar, por vezes.
Quando leio os teus poemas, de certeza.
Gostaria imenso de ir a Campo Maior ver a festa das flores.
Beijinho
Isabel

Mel de Carvalho disse...

Da essência brota a essencial palavra - duas letra, tão imensa.

Beijinho Ana. Gratidão, a minha, sempre!

Mel

Sonhadora disse...

Minha querida

Passando para deixar um beijinho e o meu carinho, pelo dia do amigo.
Tenho um miminho no lado direito do meu blogue.

Rosa

Ana Lucia Franco disse...

Ana, alças voo no inegável bom gosto de tua poesia e do teu blog, fruto de alma refinada a que devemos prestar atenção.

bjs.