Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

A Ida




Despertarás e olharás ao redor,
Como o Amor atenta na vida!
Farás do egoísmo e da dor
A paz de quem confia na ida...


Ana




10 comentários:

Rogério Pereira disse...

Fiz como me mandas
poeta
Despertei e em redor olhei
Como o Amor atenta na vida!
O resto nãos sei se o farei
por o não ter conseguido, ainda

Jorge disse...

Sentimentos que se cruzam e dão novo sentido à vida.

Sonhadora disse...

Minha querida

A tua imagem e o teu poema transportaram-me para outro tempo e para outra idade.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Braulio Pereira disse...

olá Ana

tâo lindo esse cantinho..

este teu poema me tocou fundo

é lindo.

beijinhos!!!

Olinda Melo disse...

Atentamente, reparo que a vida não pára e que é preciso seguir em frente mesmo que custe...Confio numa ida com regresso marcado.

Bj

Olinda

Andradarte disse...

Gostei....e meditei...
Beijo

Zilani Célia disse...

OI ANA!

BELO POEMA...

ABRÇS

http://zilanicelia.blogspot.com/

Fê-blue bird disse...

Amiga:
Essa IDA será a nossa salvação!
Pintura linda de um Alentejo cheio de paz e serenidade.
IREI!

beijinhos

sandrafofinha disse...

amiguinha esquece as magoas e a dor. vive uma vida repleta de felicidade,olha que a vida é curta demais para não podermos ser felizes. e para contribuir para a tua felicidade aqui te vi deixar um beijinho fofinho. fica bem amiga.

BlueShell disse...

Não tinha visto este post_ lindíssimo...tudo...o poema ...a imagem; que bem sabia estar ali naPaz e aconchego daquelas casas!
Um bom domingo!
Bj