Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Resistente

Abel Salazar




Na deriva dos sonhos
Ficámos em silêncio
Olhando aquém
Do horizonte
Petrificados
Sós

Erguemo-nos humanos
Nas sombrias manhãs
Fraternos ainda
No Amor
Magoado
Nós


Quebrámos a linha
Arquitectos eternos
Traçámos além
No advir
Desejado
Vós.


Ana




15 comentários:

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Ana, gostei da tela e do poema...Espectacular....
Cumprimentos

Jorge disse...

Bela e singela homenagem ao professor Abel Salazar [de reputação internacional], "resistente" ao regime salazarista, tendo-se ainda dedicado e notabilizado na pintura e escultura.
Abr
J

São disse...

As sombrias manhãs...pois, às vezes magoam.

A foto do Alentejo é uma maravilha!

Bons sonhos.

Braulio Pereira disse...

olá Ana

obrigado pelo teu carinho seguindo-te.

sublime tua poesia


beijo!!

Andradarte disse...

Sós, nós ou voz....seremos resistentes...
Beijo

comboio turbulento disse...

Moro muito perto da casa-museu Abel Salazar. ainda bem que te lembraste dele. Neste meu regresso à blogosfera fiquei contente por isso e pelo poema. resistente, sempre, ao óbvio, torna-se necessário. abraço para o Alentejo.

Luma Rosa disse...

Linha limítrofe, tênue catástrofe.
Hoje longe, amanhã mais longe ainda
Inexorável deixar de ser.

Boa semana!!
Beijus,

sofia disse...

Ah! Lindo! beijinho

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Resistentes, sempre. Parece que nunca seremos outra coisa.
Belo poema e imagem.
Beijinho no meio desta chuva toda.
Isabel

Olinda Melo disse...

Pobres de nós quando o horizonte se limita, quando ficamos aquém dos sonhos... mas quando o obstáculo é quebrado somos, na verdade, arquitectos de nós mesmos.

Ana,adorei o poema e a tela.

Bj

Olinda

Maria Luisa Adães disse...

Ana

Bom poema, escrito de forma que me agrada - muito...

Agradeço a lembrança.
Eu também gosto muito de si...é especial para mim.

Em Dezº. (prncípio) vou para o Brasil (fica gente em casa).

E devo regressar em Fevº.. Assim espero!

Beijo grande,

Mª. luísa

irene alves disse...

Minha amiga, é bom que nós através
dos nossos blogues demos a palavra
aos poetas. Almas sensíveis,muitos
vivos(felizmente)e outros que apenas o estão no nosso coração.
Acho que os blogues vieram provar
que há muitas pessoas a gostar de
poesia.Então estamos a desempenhar
um papel importante na divulgação
da mesma.
Será que o meu pensamento está
correto?
Beijinho

Nilson Barcelli disse...

Excelente poesia, como sempre.
Gostei.
Beijos, querida amiga.

Guma Kimbanda disse...

Olá Ana

A tela e o poema, os dois me tocam.

O poema então me diz muito pelo conteúdo e fazendo jus ao título.

Beijo e kandandos

Fê-blue bird disse...

Amiga:
A NÓS, só nos resta resistir!

Excelente escolha de tela de um grande resistente.

beijinhos