Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 28 de janeiro de 2012

Onde Começa o Tempo?

Remedios Varo, Paraíso de los gatos

Na lágrima que o teu olhar inunda,
No traço que ela te cava no rosto
E na solidão que te circunda...
Nos dias lindos, pelo sol - posto.

Quando um único ideal unir o mundo,
Quando duas almas se aproximam
E se confundem num amor profundo.

Começa em dois olhares que se cruzam,
Começa na luta e na aguarela da vida...
E na voz daqueles que ainda cantam
Uma velha poesia, louca e esquecida!

Começa num puro sonho de grandeza
E na derrota que te trouxe a sorte...
Numa lágrima doce e na tua tristeza.

O tempo começa na dor e na morte
E em quem tiver a voz que te conforte.
Começa num poema e numa oração
O tempo começa no teu coração...

Na antiga floresta e na escuridão,
Na mais bela canção e na promessa
De um dia pleno de paz e de mansidão.

Croqui  de Vida onde o tempo começa.
O lago isolado e a flor de um jardim...
Ah! Onde vai a desolação e a pressa
Se o tempo, afinal, começa assim!

Ana



13 comentários:

Andradarte disse...

Belo tempo aqui passei, lendo este
original poema...
Adorei...parabéns
Beijo

Olinda Melo disse...

O tempo com os seus períodos,as suas horas, minutos e segundos é, afinal,uma convenção, uma invenção que nos obriga a não ter tempo para nada.

O tempo realmente começa,vive, reside nas palavras maravilhosas que imprimiu neste poema inspirador, que percorre todos os momentos da vida, que deixa falar o coração, e que num gesto sem pressas consegue abarcar o que de melhor há no ser humano.

Obrigada, Ana, por este belo poema.

Bjs

Olinda

Olinda Melo disse...

O tempo com os seus períodos,as suas horas, minutos e segundos é, afinal,uma convenção, uma invenção que nos obriga a não ter tempo para nada.

O tempo realmente começa,vive, reside nas palavras maravilhosas que imprimiu neste poema inspirador, que percorre todos os momentos da vida, que deixa falar o coração, e que num gesto sem pressas consegue abarcar o que de melhor há no ser humano.

Obrigada, Ana, por este belo poema.

Bjs

Olinda

São disse...

O meu tempo aqui a ler o teu bom poema foi muito agradável.

Um bom domingo, Anita

Nilson Barcelli disse...

Com um título deste, não é fácil fazer um poema.
Mas tu conseguiste e foste excelente na resposta.
Beijo, querida amiga.

sofia disse...

Lindo e maravilhoso. :)
beijinhos

Sonhadora disse...

Minha querida

Um poema maravilhoso e de grande profundidade...como a vida.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

nacasadorau disse...

O tempo começa
"quando o sol aquece
e legitima
a indiferença
na exuberância do gesto"

Beijo

BlueShell disse...

Começa num sonho...e termina nos encantando...este teu poema- origada.
BS

vieira calado disse...

Bem escrito

este poema,

como, aliás,

já nos habituou!

Beijinho!

Fabrício Santiago disse...

assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog Krasivo. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs

Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.

Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Só a sensibilidade poética pode descrever assim uma lágrima.
Estou tiritando aqui nesta Lisboa, dizem eles, de clima moderado. brrr..., imagino aí.
Beijinhos.
Isabel

mixtu disse...

o tempo
tem um início
um meio
um terminus

o tempo é de partida
é de chegada...

o tempo parte-se em tempos...


abrazo serrano