Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 11 de maio de 2013

Infindas...



O Jogo da Marca , Rafael Bordalo Pinheiro


Tantos sonhos...
Um tempo antigo!
E a memória
Atirando docemente
Pedaços de sonho
Fremente!
Se quero...
Não sei!
Queria
Ainda
Infindas
Tranquilidades
Do peito Pater!

                                 Ana

11 comentários:

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Nostalgia poética... ou talvez mais, em palavras simultaneamente doces...

Gostei muito.
Beijinho amigo

Olinda Melo disse...


Bom dia,Ana

O tempo ou a falta dele tem-me atirado para lá do concebível o que me tem levado ao incumprimento do meu agradável dever de visitar os amigos.

Estas tuas palavras aqui nestas 'Infindas...' trazem-me pensamentos doces, saudades de coisas boas situadas no plano da casa paterna ou então num país com rumo e norte.

Bom fim de semana.

Bjs

Olinda

BlueShell disse...

..."E a memória
Atirando docemente
Pedaços de sonho
Fremente!..."
Assim é....

Foste ao
Mocho.info?
É meu e do meu marido.
Obrigada
BShell/whiteball

JP disse...

Essas tranquilidades ...tranquilizam-nos. Como as memórias do que nos calou o peito.

Beijinho

São disse...

A nostalgia é sempre mais suave assim...

Beijinhos, amiga

Jorge disse...

Eu gostava de me aconchegar, à lareira, sob a aba do casaco do meu pai...
Bj
J

Pérola disse...

Palavras que desnudam a alma.

Beijo

. intemporal . disse...

.

.

. belíssima . esta forma de saber sentir . escrevendo .

. :) .

. um beijo meu .

.

.

Mar Arável disse...

Um dia seremos de novo

crianças

Bípede Implume disse...

Querida Aninha
Sabes o que é "calema"? Em Moçambique era temida. O mar à superfície era um lago, mas, por ,baixo, tormentoso.
Assim somos nós, neste momento.
Só mesmo o teu poema transmite doçura.
Beijinho
Isabel

Fê Blue bird disse...

Como te compreendo amiga.

beijinho