Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 7 de setembro de 2013

Mesmo assim...




Pavia, Alto Alentejo - José Alves


Mesmo assim venho dizer-te

que a planície exala
que a esperança resvala
que sonhos fugidios
emergem no deserto
ensanguentado

Mesmo assim venho dizer-te

que a manhã clara germina
que a alegria ilumina
que devaneios vadios
já mostram o encoberto
sol dourado


Ana


19 comentários:

Margarida disse...

Maravilhoso e inspirador, como sempre.
Boa sorte para o novo ano lectivo!

Beijinhos,
Sara

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Lindo e doce o teu poema cantando o nosso Alentejo.

Um beijinho com carinho e bom Domingo
Sonhadora

Andradarte disse...

Mesmo assim.....O sol por aqui continua a ser forte e luminoso...
Belo poema.
bfs
Beijo

edumanes disse...

Sinceramente, ninguém engano
Mesmo sem ter sido convidado
Mas, porque sou alentejano
Respeito e sou respeitado.

Da viagem até aqui
Te segui Ana Tapadas
Tantas coisas lindas aqui vi
Todas muito bem intencionadas!

Desculpa no teu cantinho ter entrado
Com boa intação não por engano
Pelas nuvens encoberto o sol dourado
Português, de coração alentejano
O meu nome é Eduardo.

Resto de bom domingo
um abraço, Eduardo.

Fê blue bird disse...

É MESMO ASSIM minha amiga.

beijinho, boa semana!

Vieira Calado disse...

... e tudo isso - Alentejo - num Alentejo que eu não conhecia: Pavia!
Beijinhos!

São disse...

Nada acaba, tudo faz parte da vida humana, que integra quanto existe: a anta transformada em capela de Pavia assim o prova.

Haja, portanto , esperança!

Beijinhos, amiga minha.

Mar Arável disse...

Há sombras com luz
quando fechamos os olhos

Bj

Fa menor disse...

Que o sol encontre sempre uma fresta por onde dourar!

beijinhos

Fa menor disse...

Que o sol encontre sempre uma fresta por onde dourar!

beijinhos

Bípede Implume disse...

Querida Aninha
Lindo como sempre.
Pois é, ele há "rentrées" e "rentrées". No fundo é sempre mais do mesmo.
A Sandrinha seguiu hoje viagem.
Ainda estou a sentir a falta.
Beijinhos
Isabel

Petrus Monte Real disse...

Ana,

Aqui encontro sempre
a palavra literária
que nos dá conta da vida real.
Aqui encontro sempre uma palavra de esperança!

Muito grato
Bom início de novo ano!
Bjs

Fernando Santos (Chana) disse...

Excelente poema....
Cumprimentos

. intemporal . disse...

.

.

. mesmo assim . ou . ainda assim .

.

. importa este milagre da vida .

.

. a qual . um dia é um luxo .

.

. um beijo meu .

.

.

heretico disse...

mesmo assim - perseguimos o Futuro.

com a raízes no poema.

gostei. deveras!

beijo

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Isto está muito bom, porque te venho dizer que simplesmente HÁ!...

beijo amigo

Luma Rosa disse...

Oi, Ana!!
Apesar de tudo e de todos, a beleza ainda persiste!!
:)
E estamos vivos! Temos a vida!
Beijus,

edumanes disse...

Mesmo assim eu venho ver
A planície descampada
Para este lindo poema ler
Me levantei, cedo de madrugada
Para ver o sol nascer
Até aqui fiz longa caminhada
Onde o sol mais aquece
Por causa do calor do sol ardente
Quem partiu com saudades não se esquece
Alentejo, terra de boa gente!

Pavia, não se fez só num dia
No Alentejo, havia mais tristeza
Antigamente, e menos alegria.

Tarte para você, amiga Ana.
um beijo.
Eduardo.



Sansell disse...

Passo por ai sempre que vou para Évora.