Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 11 de janeiro de 2014

Sublime oração descrente


Grécia, 2008 -  José Alves

Apanha o azul,
Mistura-o nas nossas almas...
E, serenamente, diz-nos: «Deus»!
Apanha a minha lágrima,
Nela me foge a vida
E nasce, renasce...
Tudo sublimas no teu peito - entrega
Obrigada!
Sei que entendes - mais - que compreendes
E a tua compreensão apaga o fogo,
Mitiga a inquietação - obrigada.
Aquilo que porventura dou - e é tão pouco,
Crê, tem a medida do que sou.
Sou pequena, vês?
Mas, não...
Estou a crescer ainda - a sair de mim!
Hipersensível? Humana apenas...
É assim a minha alma!
As pequenas coisas...
Não receis, sei sublimar,
É branco o que há em mim.
Lutas, guerrilhas? 
Estou a vencê-las...
A sustentá-las.

Ana (1977)



Por todo o lado encontro escritos e rabiscos...vou partilhando, timidamente, alguns. 

9 comentários:

edumanes disse...

Bem escritas palavras.
Por alguém que sente
Dos olhos caírem lágrimas
Com saudades do amor ausente!

Bom fim de semana,
para você, amiga Ana.
Um beijo,
Eduardo.

Jorge disse...

Ana,
Duas coincidências:
Em 2008 chorei muitas lágrimas por alguém que partiu nesse ano e nasceu 1977.
Bjis
J

Rogerio G. V. Pereira disse...

Do fundo da gaveta
Do fundo da alma

Trás o que trouxeres
Te leio
e me enleio

Descremos, crendo

Rogerio G. V. Pereira disse...

Do fundo da gaveta
Do fundo da alma

Trás o que trouxeres
Te leio
e me enleio

Descremos, crendo

Rogerio G. V. Pereira disse...

Tira o que tirares, do fundo da gaveta
Tira o que tirares, do fundo da alma
Te lerei,
leio
e me enleio

Descrendo, crendo
sempre que quero
(gosto de quem se expõe)

O Puma disse...


Não creio
mas acredito

Bj

São disse...

E fazes muito bem em dar-nos o gosto de ler estas pequenas maravilhas, Ana.

A foto ainda me deu mais vontade de ir à Grécia, mas com tantos cortes e roubos...dece ficar para a próxima reencarnação

Bons sonhos, linda

. intemporal . disse...

.

.

. em 1977 estava eu . por esta altura do ano . a frequentar a segunda classe . e . provavel.mente ansioso . por aprender a ler perfeitamente . o mais rapidamente possível .

.

. porque lá fora . algures . esperava.me um poema assim . :) .

.

.

. um beijo meu
.

.

.

Olinda Melo disse...


Pequena com este enorme talento? Não creio. Antes, grandeza na expressão da tua alma e na partilha da tua sensibilidade.

Obrigada, querida Ana.

Bj

Olinda