Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Eu e tu


Leonid Afremov


Há brumas
rumores infindáveis
e gotas de orvalhos
                           adormecidos
Há espumas
segredos incontáveis
na orla destes mares
                           enternecidos


Ana


Nota pessoal: foi há trinta e três anos.

8 comentários:

Eduardo Maria Nunes disse...

A imagem é bonita,
parece que tudo quer levar
a forte ventania...

Amores saudáveis,
da terra nasce o pó
e outras coisas mais
há brumas e não só.

Ruídos indesejáveis,
incomodam o sossego
algumas não aconselháveis
certas leis do governo!

Bom fim de semana, um beijo.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Uma ligação forte
não é apenas aquela que perdura
é a que, perdurando,
mantém viva a chama e a ternura

Abraço aos dois

© Piedade Araújo Sol disse...

curto e tão completo.

muito belo!

a imagem também faz jus ao poema.

bom fim de semana.

beijos

)

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde,
A segredos guardados que causam mares agitados e orvalhos congelados.
Lindo poema profundo que faz pensar.
Dia feliz
AG

http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

Existe Sempre Um Lugar disse...

Será que entrou o meu comentário?

http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

São disse...

O poema é lindo e mais lindo se torna por continuar actual ao fim de tanto tempo .

Desejo que assim seja sempre, Aninhas!

Fraterno abraço :)

Isa Lisboa disse...

Assim se guarda a cumplicidade! :)

Luma Rosa disse...

Brindemos ao que foi e ao que continua sendo! Que perdure o amor, pois como bem escreveu Carlos Drummond de Andrade: "Amor é privilégio de maduros".
Boa semana!!
Beijus,