Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Iniciática sanha

Sibila de Delfos, Michelangelo


São curtos os braços
do Deus criador...
São velas, são laços
ao teu redentor!
Pitonisas inquietas
tecem abraços,
olhando ao redor
de aras libertas.

Rasgaram as brumas
de noites de breu.
Pisaram espumas
do mar que é teu.
Caíram dos cumes.
Teceram em plumas,
na orla do véu,
oráculos aos numes.

Arderam as sarças
da sacra montanha.
Voaram as garças
de infinita manha.
E, antes do Nada...
sem clamor, sem farsas,
com iniciática sanha
pintou-se a Alvorada!

Ana

18 comentários:

Anónimo disse...

Muito bem!

Majo disse...

~
~ Há som de retumbantes trompetes que acompanham a iniciática sanha!

~ Belas imagens transportam-nos ao Génesis da vida, com uma Alvorada.

~ De uma nova Alvorada resplandecente está bem precisada a humanidade.

~ ~ Um fim de semana muito agradável. ~ ~
.

Edumanes disse...

Entre a mentira e a verdade!
no ocultismo se abrirão
caminhos para passar a liberdade
se os homens de bom coração
disso tiverem força de vontade?

Deixarão de ser curtos os braços,
para abraçarem com razão
ajudarem com justiça os mais fracos
dando a quem não tem para comer pão!

Gostei do seu poema com certeza,
quem é que não gasta da perfeição
como todo aquele cidadão em defesa
luta para que não vendam a sua Nação!

Boa noite e bom fim de semana amiga Ana, um beijo,
Eduardo.

heretico disse...

"no principio era o Verbo..."

e o verbo aqui se faz poema!

e ardência no alvor das "graças" - que as garças pre(o)nunciam...

beijo

O Puma disse...

Quando a ficção ultrapassa a realidade

novas realidades emergem
belíssimas

Fê blue bird disse...

Amiga Ana, só queria ter metade da tua mestria para comentar este teu belo poema.

beijinho e bom fim de semana

São disse...

Rasgar as brumas...será que vale isso de algo?

A tua poesia , essa sim, vale sempre a leitura, amiga.

beijinhos , Anita

AC disse...

Seja o cenário de assombro, ou de devassidão, a bifurcação surge sempre em qualquer caminho. A nós compete escolher: o aparente aconchego da submissão ou a incerta liberdade...
Sempre tão bem, Ana!

Um beijo :)

Fernando Santos (Chana) disse...

Excelente poesia....
Cumprimentos

Luma Rosa disse...

Oi, Ana!
A luz da alvorada vos envia do
Oriente bons dias...
:)
Beijus,

© Piedade Araújo Sol disse...

rasgar as brumas
rebentar correntes

e assim se faz poema com mestria.

muito bom!

:)

© Piedade Araújo Sol disse...

rasgar brumas

rebentar correntes

e assim se faz poema com mestria.

muito bom!

beijo

:)

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, encantado com a bela partilha da criatividade e da enorme capacidade para compor, é lindo o que escreveu em poema.
AG

Graça Pires disse...

A alvorada:o encontro da noite com o dia... Um poema que nos devolve a aventura do princípio da Vida...
Muito belo, Ana!
Um beijo.

Bípede Implume disse...

Querida Aninha
Todos os deuses estão contigo.
Só Pode!
Tanta beleza e tanto saber...que nos maravilham.
Beijinhos e, tens razão, já s sente a Primavera.
Mais beijinhos.

Magia da Inês disse...

⋰˚هჱܓ
"Simplesmente lindo!!!
Bom restinho de semana, amiga!
Beijinhos.
ه°·✿

Nilson Barcelli disse...

E no princípio era o verbo.
Que o teu verbo se encarregou de estruturar num excelente poema.
Parabéns por mais esta pérola poética.
Bom fim de semana, querida amiga Ana.
Beijo.

Edumanes disse...

Amiga Ana Tapadas, hoje é o seu dia,
tinha que vir aqui deixar uma palavra
hoje e sempre, seja muito feliz, sorria
de dor não deixa cair dos olhos nenhuma lágrima,
de alegria deixa elas correrem pelas faces à vontade
para você no pensamento envio uma flor
em sua companhia tenha a felicidade
sempre com carinho e muito amor!

Tenha um bom dia de domingo
e tudo mais o que desejar, um beijinho.

Para todas as mulheres desejo,
hoje e sempre que sejam muito felizes.
Eduardo.