Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

terça-feira, 27 de setembro de 2016

E as crianças, Senhor?



Síria, Amnistia.org


Na geometria quieta,

A tarde que finda...
Nostalgia secreta
Que os sonhos alinda.
Na distância rumores
E o choro de crianças.
Não fales das flores...
Não ensaies as danças!


Ana





13 comentários:

Manuel Veiga disse...

a barbárie à solta.
ate a boca arde e as palavras secam..

beijo

Majo Dutra disse...

~~~
Não há nada que comova mais
do que o choro de uma criança...
Onde anda a compaixão enaltecida
por Cristo e Maomé?!

Beijinho, estimada Ana.
~~~~~~~~~~~~~~

Abelharuco disse...

Um "jogo" de palavras, leve como a brisa de uma tarde de Verão e de rara beleza. Gostei muito

Jaime Portela disse...

Que mundo este...
Dotados do livre arbítrio, não há deuses que nos comovam.
Excelente, minha amiga.
Ana, tem um bom resto de semana.
Beijo.

São disse...

Sim, quaNDO se olha para estas crianças em sofrimento a alegria desaparece!

Beijinhos, amiga

Mar Arável disse...

Terão de ser os Homens e as Mulheres
que resistem
a construir outro dia
Bj

Edumanes disse...

Querendo colher amor,
aquele que ódio semeia
causa destruição e terror
à custa da pobreza tem a barriga cheia!

Boa noite e bom fim de semana amiga Ana, um beijinho.
Eduardo.

Cadinho RoCo disse...

Tocante.
Cadinho RoCo

Fê blue bird disse...

Um choro distante que não queremos ouvir.

Um beijinho amiga Ana

Graça Pires disse...

Tantas crianças ao abandono por esse mundo. Na guerra são as que mais sofrem... Um poema muito sensível, o teu.
Uma boa semana, Ana.
Beijos.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, hoje foi noticiado que existem mais de 400 milhões de crianças abaixo da linha da pobreza,são portadores de doenças e não se desenvolvem, quem tem o poder sabe o que se passa a nível mundial com as crianças que já só pedem um pouco de comida, são vitimas de exploração do trabalho, guerra e violação, que fazem os poderosos? fazem discursos com lágrimas de crocodilo para o freguês ver, atitudes para solucionar o problema que é de todos, nada fazem, mesmo assim, ainda existe os submissos sem carácter a lamber as botas destes assassinos de colarinho branco.
Resto de boa semana,
AG

Olinda Melo disse...


Querida Ana

A tua interrogação, a imagem, as palavras do teu poema, tudo concorre para nos chamar a atenção e apelar para que tenhamos consciência do sofrimento que por aí grassa e que nós, enfiados no nosso comodismo, nem damos conta, por vezes.

Um bom feriado.

Bj

Olinda

Magia da Inês disse...

✿゚ه° ·.
As crianças choram mas o coração dos homens continuam cada vez mais endurecidos!...

Bom fim de semana!
Beijinhos.✿゚ه