Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

segunda-feira, 20 de março de 2017

Hu.ma.ni.da.de

Itália, Veneza


Há mundos líquidos, por onde correm os sonhos dos homens. Lugares idílicos, aonde se reinventam rumores de antanho. Primaveras secretas que arfam no peito dos lunáticos e dos amantes devorados pela paixão e, esta, paradigma do destino último da humana condição - a morte.

Secretos, intranquilos, mergulhamos na atonia e no caos.

Que restará desta geração que - absorta, edonista e irascível - se afunda lentamente, pasmada no plasma e na contemplação de si mesma?

Haverá lugares obrigatórios e guerras necessárias?

Já te amei em Veneza e cruzei o Trieste quando a guerra grassava tão perto...
Só te posso afirmar aquilo que sei: o amor está em qualquer lugar e o sangue dos homens não é a nossa herança comum nem constrói o futuro - não te iludas, todavia! 
Somos a Humanidade.


Ana


Líbia, Sirte









hu·ma·ni·da·de 
(latim humanitas-atis)
substantivo feminino
1. O conjunto dos homens.
2. Natureza humana.
3. Género humano.
4. Bondade.
5. Benevolênciacompaixão.

"humanidade", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/humanidade [consultado em 20-03-2017].


domingo, 19 de março de 2017

Da Guerra

O nascimento de Vénus - Botticelli


Não creias nas aparências
Frívolas consciências
Que o mais feio dos deuses
Te está fadado

Vulcano que o fogo acende
Teu marido por castigo
Que trais com Marte
Que a guerra ama

Ah a fútil a inconstante
Humana condição
Que trai em cada dia
A quieta via da evolução.

Ana




Mohammad Mohiedine Anis, senhor de 70 anos que vive em Aleppo, região de conflito na Síria (Joseph Eid/AFP)









terça-feira, 7 de março de 2017

O Excesso



Alexandre Séon, Le retour

Se chorar, dirás que sofro...
E, todavia, o céu telúrico.
E, todavia, os teus passos,
Os teus laços,
Tu...
O palpitar constante,
O ser difuso, divagante!
Não sei do espaço,
Perdi o tempo,
No momento
Em que tocaste o meu sonho!
A beleza, a nobreza...
O excesso e o reverso...
E, se te sonho e te quero,
Tu és a calma, a agitação
- o meu processo!
Se chorar dirás que sofro!
O habitual, o convencional...
Porém, há um hino divinal
E pássaros entram pelas vidraças,
Se me abraças...
E te perdes.

Ana


Nota: talvez pelo excesso de trabalho e enorme falta de tempo disponível, talvez pelo sol radiante e pelo toque primaveril que actualiza as paixões...reedito este poema. 
Bom dia, amigos.


terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Ferinos



                                                                           Hans Dahl, pintor norueguês





Nas asas do vento passam os dias.
Breves silêncios deslizam secretos.

São pontos ferinos na réstia de luz!

Quietos os beijos que pedias...
Leves desejos de quem seduz.


Ana

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Sugestão de leitura






Espera-se que fale do livro, do outro...livro. Só posso recomendar este. O resto é mesmo isso - o resto. Daí a verborreia com o seu carácter prolixo.