Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

2012




Vladimir Kush


A Forma JustaSei que seria possível construir o mundo justo 
As cidades poderiam ser claras e lavadas 
Pelo canto dos espaços e das fontes 
O céu o mar e a terra estão prontos 
A saciar a nossa fome do terrestre 
A terra onde estamos — se ninguém atraiçoasse — proporia 
Cada dia a cada um a liberdade e o reino 
— Na concha na flor no homem e no fruto 
Se nada adoecer a própria forma é justa 
E no todo se integra como palavra em verso 
Sei que seria possível construir a forma justa 
De uma cidade humana que fosse 
Fiel à perfeição do universo 

Por isso recomeço sem cessar a partir da página em branco 
E este é meu ofício de poeta para a reconstrução do mundo 



Sophia de Mello Breyner Andresen, O Nome das Coisas



FELIZ ANO NOVO, MEUS AMIGOS!


terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Por estes dias, sejam felizes, meus amigos.

5772 - Hanoukkah - de 21 a 28 de Dezembro
2011 - Natal - 25 de Dezembro (Presépio de Estremoz)
1432 - Ashoura - 6 de Dezembro

BOAS FESTAS, MEUS AMIGOS!
Ana

domingo, 18 de dezembro de 2011

Muro de insegurança

americanos, Iraque, 2011
Anónimos, Iraque, 2011

 Açores, 2003



Não se pode manter a paz pela força, mas sim pela concórdia.
Albert Einstein

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Eduardo Lourenço - Prémio Pessoa 2011





“Que o português médio conhece mal a sua terra – inclusive aquela que habita e tem por sua em sentido próprio – é um facto que releva de um mais genérico comportamento nacional, o de viver mais a sua existência do que compreendê-la.”
“Citar um autor nacional, um contemporâneo, um amigo ou inimigo, porque nele se aprendeu ou nos revimos com entusiasmo, é, entre nós, uma raridade ou uma excentricidade como usar capote alentejano. A referência nobre é a estrangeira por mais banal que seja, e quem se poderá considerar isento de um reflexo que é, por assim dizer, nacional?”
“Os Portugueses vivem em permanente representação, tão obsessivo é neles o sentimento de fragilidade íntima inconsciente e a correspondente vontade de a compensar com o desejo de fazer boa figura, a título pessoal ou colectivo.”
“Mas seja qual for a interpretação ideológica de Camões, não é possível, para ninguém, separar o seu canto épico da apologia histórica de um povo enquanto vanguarda de uma fé ameaçada na Europa do tempo e de um império igualmente guarda-avançada da expressão comercial e guerreira do Ocidente. É essa a «matéria» textual e moral do Poema.”
“Em princípio, todo o português que sabe ler e escrever se acha apto para tudo, e o que é mais espantoso é que ninguém se espante com isso.”


 Eduardo LOURENÇOO Labirinto da Saudade, Gradiva, 2005.




“Eduardo Lourenço (…) sabe que todos nós somos espíritos perdidos no tempo e que, apesar das palavras não poderem quebrar a nossa irredutível solidão, elas podem pelo menos proporcionar um pouco de conforto no vazio da infinitude”.
Pascal Avot.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Sufocada


Mireya Juárez Noriega



Sufocada de poema a voz!
No oceano relâmpago atroz!
Ah! Se a alma cantasse,
Se nossos sonhos elevasse...
De nada a vida quereis.
Ah! Grito mudo que não entendeis.
E, silenciosa, a realidade observa.
E, silencioso, o sonho preserva...
E nasce...
Nasce...
Renasce!


Ana

sábado, 10 de dezembro de 2011

Abandono

google

Sábado de cinza. Chuva em túnel. Vamos friorentos pela planície húmida, numa procura sem rumo. Queremos, tão só, fugir da rotina dos dias iguais durante os quais exigimos conhecimento a meninos sem futuro. É esse sentimento trágico que nos semeia os dias e desgasta sem esperança. Sempre vendemos promessas de dias melhores a troco de exigência e de trabalho. Assim acontecia, geração após geração. Professor era isso.
Olho com nostalgia o ondulado dos campos alagados. Alguns rebanhos insistem em procurar alimento nos terrenos incultos. Incultos assim os foram deixando, na mira de riquezas mais fáceis. Conheço os ciclos desta terra, poderia ser esta a minha vida. Chego a lamentar que não o tenha sido, numa espécie de remorso original.
Chove ainda. A água vai perder-se por aí até à secura do Verão. Em salas enceradas jovens políticos deslumbrados escorregam e jamais olharão este país. Ver há-de ser sempre um acto de amor.
Como teremos futuro sem ordenar este país interior? Sem nos vermos por dentro?

Ana






quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

José Marchena, «L'Avis aux espagnols»

(google)


«Nossa Senhora da Conceição, padroeira do Reino.
Nas cortes celebradas em Lisboa no ano de 1646 [8 de Dezembro] declarou el-rei D. João IV que tomava a Virgem Nossa Senhora da Conceição por padroeira do Reino de Portugal, prometendo-lhe em seu nome, e dos seus sucessores, o tributo anual de 50 cruzados de ouro

 Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico, Volume V, pág. 122.Edição electrónica



Ibéria




PESADELO DE D. QUIXOTE

Sancho: ouço uma voz etérea
Que nos chama...
Ibéria, dizes tu?!... Disseste Ibéria?!
Acorda, Sancho, é ela a nossa dama!

Pois de quem hão-de ser estes gemidos?!
Pois de quem hão-de ser?!
Só dela, Sancho, que nos meus ouvidos
Anda o seu coração a padecer...

Ergue-te Sancho! Quais moinhos?! Quais?!
Ai! Pobre Sancho, que não sabes ver
Em moinhos iguais
Qual deles é só moinho de moer!...

Miguel Torga



«O meu iberismo é um sonho platónico de harmonia peninsular de nações. Todas irmãs e todas independentes.»   Miguel Torga, 13/9/88





Personalidades iberistas Portuguesas

(fonte: Wikipédia)

domingo, 4 de dezembro de 2011

Quem recorda Nana Mouskouri (Nανά Μούσκουρη)?


Fonte: Mesquita


Fonte: Mesquita


Fonte: Mesquita
Fonte: Mesquita


Conhecida mundialmente como Nana, estabeleceu-se com sua família em Atenas, onde o seu pai trabalhava como projeccionista em cinema. Nesta época, bastante jovem, começou o seu amor e talento pelas artes, principalmente pela música. Gravou dezenas de músicas em várias línguas, incluindo o grego, inglês, francês, espanhol, alemão, português e italiano, entre outras. O que muita gente não sabe é que esta cantora é também uma excepcional aguarelista.

Aqui ficam alguns exemplos.




Nana Mouskouri

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

1 de Dezembro


Orquestra de Harmónicas
http://www.harmonicas-ponte-sor.com/cartaopt.htm



Ainda há pouco o sol iluminava o parque. Apetecia passear sob os vinte graus deste Dezembro que começa. Agora a temperatura cai a cada hora, talvez desça do zero, sem qualquer pudor. Amanhecerá o parque branquinho de geada branca a brilhar na matina.
Terra de contradições, a minha.
Republicanos convictos vestiram na noite passada os velhos capotes e calçaram botas pesadas para celebrarem a Restauração da independência. É assim em cada ano. Este ano instalou o paradoxo numa dúvida de contradições evidentes. Por todo o concelho se celebrará - como acontece desde 1640 - este dia singular. A vinte quilómetros a banda sairá à rua e troará uma música militar.
O Hino da Restauração ecoa ainda, perante a indigência cultural que grassa nos dirigentes nacionais.

Somos alentejanos pacíficos e orgulhosos. Olhamos em frente. O horizonte é largo.

Ana




quarta-feira, 30 de novembro de 2011

A Ida




Despertarás e olharás ao redor,
Como o Amor atenta na vida!
Farás do egoísmo e da dor
A paz de quem confia na ida...


Ana




sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Há-de



ALFREDO ROQUE GAMEIRO 


Há-de nascer na tua alma,
Como um despertar orvalhado,
Trazer-te a essência da calma
Ao sonho na luta procurado.



Ana


 

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Requiro

Vladimir Kush




Procurar...procurar...
Mesmo a essência do que já se encontrou!
Procurar é virar a página do que já se voltou.
Sem limites, não parar.
Que importam as fronteiras?
Por que te lesam as barreiras?


Homem, meu irmão, porque paraste?
Era exigente a luta e longa a caminhada,
Mas o cume é ao alto da serra alcantilada!
Envelhecias, onde está a lição que à vida roubaste?
Procurar é ir com método, com determinação.
Procurar é não ir a esmo, com vacilação...


Se o sol nasce, tu, procura a luz!
Se a lua morre, descobre a escuridão.
E, serenamente, sacia a inquietação,
Procurando o gérmen que te conduz.
Homem inquieto, homem vacilante,
Não sejas jamais homem errante!


Ana 






sábado, 19 de novembro de 2011

Elixir

Vladimir Kush


Possuidora de estranho elixir,
Sorrir de uma serra alcantilada,
Encantada, não temendo o porvir
E ao ir livre ficar aprisionada!
Elixir...há nestas claridades
A força pura das suavidades.
Ah! Não, dardejando e entendendo
As serenidades que vão esmorecendo.
Segredo, degredo, mentira, mentira!
Todos sabem.

Ana


quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Das 7 às 23 horas...



Cruzeiro Seixas



 O funcionário cansado
  
   A noite trocou-me os sonhos e as mãos
   dispersou-me os amigos
   tenho o coração confundido e a rua é estreita
   estreita em cada passo
   e as casas engolem-nos
   sumimo-nos
   estou num quarto só num quarto só
   com os sonhos trocados
   com toda a vida às avessas a arder num quarto só
  
   Sou um funcionário apagado
   um funcionário triste
   a minha alma não acompanha a minha mão
   Débito e Crédito Débito e Crédito
   a minha alma não dança com os números
   tento escondê-la envergonhado
   o chefe apanhou-me com o olho lírico na gaiola do quintal em frente
   e debitou-me na minha conta de empregado
   Sou um funcionário cansado dum dia exemplar
   Porque não me sinto orgulhoso de ter cumprido o meu dever?
   Porque me sinto irremediavelmente perdido no meu cansaço?
    
   Soletro velhas palavras generosas
   Flor rapariga amigo menino
   irmão beijo namorada
   mãe estrela música
   São as palavras cruzadas do meu sonho
   palavras soterradas na prisão da minha vida
   isto todas as noites do mundo uma noite só comprida
   num quarto só
     
António Ramos Rosa, 1960


 Andam assim os meus dias de trabalho...



segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Resistente

Abel Salazar




Na deriva dos sonhos
Ficámos em silêncio
Olhando aquém
Do horizonte
Petrificados
Sós

Erguemo-nos humanos
Nas sombrias manhãs
Fraternos ainda
No Amor
Magoado
Nós


Quebrámos a linha
Arquitectos eternos
Traçámos além
No advir
Desejado
Vós.


Ana




sexta-feira, 11 de novembro de 2011

11 de Novembro

Helena de Tróia, por Evelyn De Morgan


Helena não era de Tróia. Era, no entanto, uma jovem mulher bela. O seu dinamismo exuberante fazia dela uma chefe. Helena era uma chefe. Os jovens adoravam-na e eu sabia que, actividade que planeasse, por mais ambiciosa que fosse, se haveria de realizar. Nisso nos igualávamos e ríamos juntas sempre que os nossos planos desafiavam as possibilidades. Lena era minha amiga. 
Caminhávamos sessenta quilómetros, pelo Carnaval, no Campo Militar de Santa Margarida e, noite alta, em torno da fogueira ríamos ainda até de madrugada, apesar de ela ter sempre bolhas de cansaço. Virávamos as meias do avesso para as costuras não magoarem, mas a Lena não resistia. Como os nossos maridos se lamuriavam do cansaço - meninos grandes, o Jaime e o Torres!
Caminhávamos por montes e vales montadas em sonhos: Alentejo de exuberâncias e de extremos, trilhos a afugentar o horizonte; Castro Laboreiro, Entre-Ambos - Os Rios, saltitando sob a chuva miudinha; imensidades de Espanha  com Igrejas ao fundo, Burgos que já reconhecíamos tão bem; aldeias Bascas alcantiladas em deleites de «quero ficar aqui»; Pirinéus; França gentil e nobre, Provença de encantadas lendas e heresias - «Façamos chichi neste campo de lavanda tão azul» - e eu sempre incomodada, moldada por uma educação tão rígida! Santander e a praia privativa donde os miúdos foram deserdados... Itália e Áustria no Tirol. A Suíça, quase um mês, viajada palmo a palmo num encanto demorado. Montanhismo, escalada, caminhada, café aguado bebido em abrigos da floresta alpina...sentada num tronco, rabisco poemas. Glaciares e calores de Agosto. 
Caminhávamos, já passados os quarenta anos. Mochilas nas costas. Botas bem grossas. Quem diria? Subíamos e descíamos montanhas e desfiladeiros. Escorregávamos na erva, ríamos desenfreadas. 
Castanhadas, tantas! A Senhora dos Prazeres, branca ermida com adro, onde dormíamos a seguir ao som de violas dedilhadas noite dentro. Vigiávamos o sono dos garotos, amedrontados das nossas histórias no escuro. 
Helena telefonou-me num dia de fim do meu Agosto algarvio e disse-me que estava hospitalizada, sentada na cama a ler. Surpresa a minha, pois a deixara há uns dias, sequer uma semana. Estava constipada e tossia ligeiramente.
Estávamos em 2005. A 11 de Novembro desse ano a Lena partiu numa viagem sem regresso. Helena, corpo robusto, nunca fumara e respirou comigo o ar puro da vida sã. Helena morreu, o seu pulmão a levou. 

Helena não era de Tróia. Helena era minha amiga. Por ela não se fez nenhuma guerra, mas conduziu gerações de escuteiros e eu, sua amiga descrente e desalinhada, acompanhava-a para conduzir os seus «escutas» que eram também os meus alunos. Laços bem fortes uniram gerações, muralhas de uma ilha íntima bem mais bela que a velha Tróia.
Helena, minha amiga.

Ana


quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A quantificação da incerteza

Google




Das desigualdades falaremos a seguir
Os anónimos erguer-se-ão da letargia
Quando a injustiça  grassar e emergir
Ofuscados pela clara luz de cada dia
Das desigualdades falaremos a seguir





Google



terça-feira, 8 de novembro de 2011

sábado, 5 de novembro de 2011

Rasgos

João Barcelos


Faço um poema de Amor.
Escrevo - quem sabe?- uma flor.
Pois sou a criança, sou a luz,
Sou a meiguice que me conduz.

Sou talvez um jardim distante,
Distante de mim, divagante...
Tu sabes, eu sou um pedaço de ti,
Sou a ausência que venci.

Pedaço de som ou de sorriso,
De letra, letra, de traço impreciso!
De letra, de letra ...não!
Ah, como sonho a minha na tua mão!

Ana


quinta-feira, 3 de novembro de 2011

«Esperando os bárbaros», Κωνσταντίνος Πέτρου Καβάφης




Grécia, José Alves






Mas que esperamos nós aqui n'Ágora reunidos?
É que os bárbaros hoje vão chegar!

Mas porque reina no Senado tanta apatia?
Porque deixaram de fazer leis os nossos senadores?

É que os bárbaros hoje vão chegar.
Que leis hão­de fazer os senadores?
Os bárbaros que vêm, que as façam eles.

Mas porque tão cedo se ergueu hoje o nosso imperador,
E se sentou na magna porta da cidade à espera,
Oficial, no trono, co'a coroa na cabeça?

É que os bárbaros hoje vão chegar.
O nosso imperador espera receber
O chefe. E certamente preparou
Um pergaminho para lhe dar, onde
Inscreveu vários títulos e nomes.

Porque é que os nossos dois bons cônsules e os dois pretores
trouxeram hoje à rua as togas vermelhas bordadas?
E porque passeiam com pulseiras ricas de ametistas,
e porque trazem os anéis de esmeraldas refulgentes,
por que razão empunham hoje bastões preciosos
com tão finos ornatos de ouro e prata cravejados?

É que os bárbaros hoje vão chegar.
E tais coisas os deixam deslumbrados.

Porque é que os grandes oradores como é seu costume
Não vêm soltar os seus discursos, mostrar o seu verbo?

É que os bárbaros hoje vão chegar
E aborrecem arengas, belas frases.

Porque de súbito se instala tal inquietude
Tal comoção (Mas como os rostos ficaram tão graves)
E num repente se esvaziam as ruas, as praças,
E toda a gente volta a casa pensativa?

Caiu a noite, os bárbaros não vêm.
E chegaram pessoas da fronteira
E disseram que bárbaros não há.

Agora que será de nós sem esses bárbaros?
Essa gente talvez fosse uma solução.