Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 22 de outubro de 2011

Bárbaros matam tiranos


Giorgio De Chirico

"Nunca se esquecem as lições aprendidas na dor"

Provérbio africano



Gold Dust by Ibrahim al-Koni


O desafio de escrever o deserto
O romancista e contista tuaregue líbio Ibrahim al-Koni, cujo trabalho está profundamente enraizado nas suas origens no deserto, é um dos autores mais originais e inovadores do mundo árabe.
Não poderemos nunca confundir a cultura de um povo com a tirania ou com a barbárie que presenciamos.

10 comentários:

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Não devemos mesmo.
Penso antes que o pior mal dos tiranos é precisamente não querer o seu povo mais culto. Qualquer povo, qualquer tirano.
Feliz domingo.Beijinhos Isabel

São disse...

Concordo de todo.

Lamento não conhecer o escritor.

Um bom domingo.

RosanAzul disse...

Uma boa indicação de leitura.
Gostei do provérbio. Verdadeiro...
Um grande abraço de paz e luz!
rosana

BlueShell disse...

Decerto; e tocaste num ponto -chave que me tem incomodado nos últimos tempos. Tudo se baseia nisso mesmo: a cultura, os hábitos...são de respeitar! Mas a tirania e a barbárie querendo tomar contornos culturais...são de combater e repudiar veementemente.

Um domingo de chuva suave, sem granizo...para ti e todoa nós.

Andradarte disse...

Mas a tendência é essa....O mal sobrepõe-se....
Bom Domingo
Beijo

Margarida disse...

O título diz tudo!
Não sabe as saudades que eu tenho suas, professora... Isto aqui é sempre a correr.
Beijinhos e tudo a correr bem :)

Olinda Melo disse...

Um excelente chamada de atenção, minha querida.É frequente esta confusão que tem de ser combatida.

Beijo

Olinda

Nilson Barcelli disse...

Não conheço.
Vou procurar para o ler.
Obrigado pela dica...
Querida amiga Ana, tem uma boa semana.
Beijos.

JPD disse...

Boa noite, Ana

Completamente de acordo.

O que é lamentável é que as sociedades com as da Tunísia, Líbia, Egipto, Síria estão sujeitas a tiranias que menosprezam a cultura, não reconhecem direitos e raramente distribuem riqueza.

Qu futuro pode um povo acalentar quando as mulheres não trabalham, os jovens não encontram ocupação e nem todos os adultos produzem?

O petróleo esgotar-se-á.

Bjs

Fê-blue bird disse...

Concordo amiga, há que separar o trigo do joio.
Tomei nota do livro e do autor.

beijinhos