Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Que importa o Calendário?

Wikimédia

É na fragilidade deste lugar que havemos de viver. Não sei se teremos vagos momentos de felicidade, mas o principio da incerteza acompanhará os nossos passos. Heisenberg equacionará, ainda, o correr dos dias...todavia, que importa? Estaremos aqui, realidade aparente, pequenos seres perenes de grandes sonhos. Recomeçaremos as vezes necessárias. Faremos voos rasantes até ao limite do horizonte.
O Amanhã é a Promessa.
Assim será, meus amigos.

Ana


domingo, 20 de dezembro de 2015

Paz

Neiva Passuello


Que a Paz desça sobre a Humanidade!


BOAS FESTAS.


sábado, 5 de dezembro de 2015

À flor da pele...

Público.pt

É um tempo que ruge
É a vida que urge...

E este silêncio que rói
E a imagem que dói!
Fuga na margem dos dias,
Lâmina nas manhãs frias.

É um medo que corrói...
É a tela suja que destrói!

Ana


terça-feira, 10 de novembro de 2015

JUSTITIA MATER

Vladimir Kush


Nas florestas solenes há o culto
Da eterna, íntima força primitiva:
Na serra, o grito audaz da alma cativa,
Do coração, em seu combate inulto:

No espaço constelado passa o vulto
Do inominado Alguém, que os sóis aviva:
No mar ouve-se a voz grave e aflitiva
Dum Deus que luta, poderoso e inculto.

Mas nas negras cidades, onde solta
Se ergue, de sangue mádida, a revolta,
Como incêndio que um vento bravo atiça,

Há mais alta missão, mais alta glória:
O combater, à grande luz da história,
Os combates eternos da Justiça!


Antero de Quental



 Nenhum homem é por natureza escravo.
Ζήνων ὁ Κιτιεύς
(Zenão de Cítio, séc. IV A.C.)

domingo, 8 de novembro de 2015

A vida não finda

Maxfield Parrish  (1870-1966)
«Land of make­believe»


Silencioso sonho
Que buscas ainda
Na dobra do mar,
Na orla do tempo.
A vida não finda
É sopro e é vento,
Doce medronho,
Jasmim ao luar!


Ana






terça-feira, 3 de novembro de 2015

Ajuda (BA)

«site» oficial, BA

Olho as mesmas paredes, róseas das eras e de luxos antigos. A Teresa já não está por ali, talvez pode as suas roseiras na casa solitária e bela que ergueu para a aposentação. Sem filhos, mulher dos livros raros, cordial e vinda de África, imagino-a de sorriso aberto e ar despachado, magra e de saquinho enfiado no braço - como só um certo tipo de donas consegue fazer - a olhar para este friso de não académicos, senhores de enfatuado vazio e esgares de conveniência.
Andei por ali nos anos noventa, peito cheio de esperança, mas visão clara da circunstância em que aquelas portas se me abriram. Sentia-me como no interior de um templo de rara imponência, habitado por criaturas vagas e sábias que se deixavam vislumbrar em salas que nunca pisei. Uma paz de crente que poderia ter sido, mas sempre os imperfeitos humanos me fizeram um apelo inegável. Dizer «não» pode ser um desígnio.

Olho, chocada, este friso de homens e de mulheres que, parece, irão governar o que resta do meu país...que fazem, neste lugar?

Lá atrás, a Teresa traz-me a tradução manuscrita do meu homem do século XVII e esgueiro-me no tempo.
O templo foi profanado.

Ana


domingo, 11 de outubro de 2015

Medos

Rembrandt, 1959 (pormenor)

Que te dizem os olhares dos homens?
Nervuras de sofrimento ainda afagam
A face sulcada onde o olhar detens...
No limbo dos medos que te pagam!

Ana


sábado, 3 de outubro de 2015

Silêncio e sombra

Maluda, Portel, 1986



É na tua geometria pura

Lâmina de silêncio e sombra
Secreto ensejo da memória
Desenho a negro e cicatriz
Dura na fímbria do deserto
Meretriz da verdade liminar
Alfombra de luta peremptória 
Hino ou salmo ou partitura

Será na tua geometria pura
A alvorada ou sonho ou o limiar


Ana






terça-feira, 29 de setembro de 2015

Tempo




Eugénio Jorge


O tempo segue na sua corrida infinda,
Rumo ao tempo que resta, ainda...






domingo, 13 de setembro de 2015

Prenúncios

Sean Lewis

Doces dias de Setembro,
Secretos anúncios...
Dançantes silêncios
Onde te relembro.

E sopra o vento do Sul,
Inquietas vagas vibrantes,
Ondas frementes de azul!

Ana




terça-feira, 8 de setembro de 2015

Abertura

Mar Egeu, José Alves

Transparência inquieta,
Alerta intranquilo...
Que o Mediterrâneo desperta,
Do húmus infecundo,
Mitos e lendas de azul imundo!
E aqueles que dormem
Emergem, ainda, do sonho profundo.

Ana



sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Tecer

G. de Chirico

Tecer vagarosamente
Na urdidura dos dias
O quadro acorrentado
À esperança infinda
Ainda


Ana

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Rente ao muro

Vito Campanella

Onde está o calor deste rumoroso silêncio
Que te escalda um sol demente os claros ombros
Ruína
Escombros
Onde vais tão calada erguendo teu sorriso
Impreciso
Vago
Que te cobre essa sombra onde se esconde e encobre
Sem regra nem lima que o sol assombra
Anárquica
A polis


Ana


sábado, 1 de agosto de 2015

Já te falei





Já te falei do rosto amarelecido dos velhos? Que aguardam eles, neste país tisnado pelo sol inclemente e ressequido? 
Já te falei dos jovens que partem e desses outros que desesperam entre a lassidão e a falta de horizonte? Porém, vasta é a planura e extenso o areal...
Já te falei das mulheres que se desdobram fingindo, num sorriso morno, que a angústia não as assola?
Já te falei dos homens que caminham envergonhados, ombros descaídos, carregando o fardo de cada dia sem esperança?
Não te mintas. Não te escondas por detrás dos escuros óculos deste Verão!
Eu vou de luto e semeio, ainda, essa vaga esperança de um dia melhor. Só o tempo me foge, escasso...

Ana



sexta-feira, 17 de julho de 2015

Caleidoscópio





A realidade
Aparente
Verdade
Distorce
Retorce
Degrada
Corrói
Destrói
Arrasa
Sem asa
A aparente
Realidade


Ana


terça-feira, 7 de julho de 2015

Orografias


Don Hong - Oai




Diferentes são os dias se os virmos deste lado. Percorremos recantos da memória e sonhos de infinito. Caminhos absortos fechados neste tempo. Casulo informe sem esperança de voo. Que te importam as águas especulares? Imagem é essa construção etérea e íntima. A ela te prendes na infinda jornada. O Verão pesa como um deserto ancestral. Voas e mergulhas ou deslizas ainda? Na tarde o silêncio lê a tua sina...




Don Hong-Oai


Ana

domingo, 5 de julho de 2015

O Rio

Grécia, José Alves



O poema omnipotente,
como rio mítico,
barbudo,
de cartucheira à bandoleira,
vem pela rua abaixo a buzinar
enfadando as amantes.
E o poeta
por que te apaixonaste aos dezoito
já não existe,
pois existir quer dizer
tenho casa na rua Kypséli
vá visitar-me no fim-de-semana
ou apresento-lhe a minha esposa.
Há uns tipos, em altos estrados,
a fazerem truques com lenços coloridos,
como outrora os charlatães
que vinham de carroça
e te tiraram o dente são
por dois taleres.


 Jenny Mastoráki (Poeta da não violência)
Grécia (n. 1949),
to soi, kedros, 1978.

tradução de Manuel Resende



sábado, 27 de junho de 2015

Dies Irae

Alto Alentejo, José Alves


"A não-violência não consiste em renunciar a toda luta real contra o mal. A não-violência, tal como eu a concebo, empreende uma campanha mais activa contra o mal que a Lei de Talião, cuja natureza mesma traz como resultado o desenvolvimento da perversidade. Eu levanto, frente ao imoral, uma oposição mental e, por conseguinte, moral. Trato de amolecer a espada do tirano, não cruzando-a com um aço mais afiado, mas defraudando a sua esperança ao não oferecer resistência física alguma. Ele encontrará em mim uma resistência da alma, que escapará do seu assalto. Essa resistência primeiramente o cegará e em seguida o obrigará a dobrar-se. E o facto de dobrar-se não humilhará o agressor, mas o dignificará... ", M. GANDHI


Mediterrâneo, José Alves



Apetece cantar, mas ninguém canta.
Apetece chorar, mas ninguém chora.
Um fantasma levanta
A mão do medo sobre a nossa hora.

Apetece gritar, mas ninguém grita.
Apetece fugir, mas ninguém foge.
Um fantasma limita
Todo o futuro a este dia de hoje.

Apetece morrer, mas ninguém morre.
Apetece matar, mas ninguém mata.
Um fantasma percorre
Os motins onde a alma se arrebata.

Oh! maldição do tempo em que vivemos,
Sepultura de grades cinzeladas,
Que deixam ver a vida que não temos
E as angústias paradas!

Miguel Torga, in Cântico do Homem





quinta-feira, 18 de junho de 2015

Exames...


Jose Luís Cano

BACH SEGÓVIA GUITARRA

A música do ser
Povoa este deserto
Com sua guitarra
Ou com harpas de areia

Palavras silabadas
Vêm uma a uma
Na voz da guitarra

A música do ser
Interior ao silêncio
Cria seu próprio tempo
Que me dá morada

Palavras silabadas
Unidas uma a uma
Às paredes da casa

Por companheira tenho
A voz da guitarra

E no silêncio ouvinte
O canto me reúne
De muito longe venho
Pelo canto chamada

E agora de mim
Não me separa nada
Quando oiço cantar
A música do ser
Nostalgia ordenada
Num silêncio de areia
Que não foi pisada


Sophia de Mello Breyner Andresen, in Geografia





Leio Sophia. Quieto aconchego da alma. A quietude de laborar na Literatura.

(Belo poema, num exame de Português.)


sábado, 6 de junho de 2015

Certidão


Pál Szinyei Merse


É deste quente ar macilento
Que se soltam as novas
É no infindável quebranto
Que a vida renovas
Além do silêncio tão lento
Inefável solidão do pranto
Se ergue a neblina
Se estende teu manto
Dura certidão das provas
Madura  voz sibilina

Ana


sábado, 30 de maio de 2015

Na branca brisa


Festos, José Alves



Serenamente se evolem os dias

Na branca brisa
Esparsa bruma

Firmemente desenhem esquadrias

Na linha precisa
Na orla de espuma

Sofregamente semeiem utopias


Ana

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Na orla do mar


Mar Egeu, José Alves


Na orla do mar,
no rumor do vento,
onde esteve a linha
pura do teu rosto
ou só pensamento
- e mora, secreto,
intenso, solar,
todo o meu desejo -
aí vou colher
a rosa e a palma.
Onde a pedra é flor,

onde o corpo é alma.

                                         Eugénio de Andrade

«Como são deles as palavras...»

John William Godward

«Mas a angústia que me habita, a violenta redescoberta da morte, que eu acabo de fazer, tornam-me estranha esta cidade, separam-ma dos meus olhos vazios, venho de luto, o meu pai morreu.» 
                                                                                                                                                                                            Vergílio Ferreira, Aparição




quarta-feira, 29 de abril de 2015

E...

John William Godward


Em plena Primavera, surgem vendavais súbitos e o pior de todos é o luto. 
Em breve voltarei...




domingo, 12 de abril de 2015

Fé na Humanidade





Sebastião Salgado

« “Tinha perdido toda a fé na humanidade”, confessou Salgado em várias ocasiões. Depois de Trabalhadores – Uma arqueologia da Era Industrial, terminado em 1993 e Êxodos (Editorial Caminho), de 2000, dois trabalhos, entre outros, de grande dureza, o fotógrafo sentiu-se “destruído”. 


Ricardo Salgado

Durante anos, Salgado manteve-se distante da máquina fotográfica e quis voltar à terra onde nasceu. Deparou-se então com a erosão e desflorestação de uma floresta outrora fértil, que havia alimentado e sustentado a família durante a infância. 




O “Instituto Terra” fundado em 1998, regenerou um ecossistema de quase dois mil hectares, com a plantação de quatro milhões de sementes. 



Sebastião Salgado

Lélia, a esposa de Salgado que sempre acompanhou e apoiou o fotógrafo de 71 anos, teve a ideia de replantar árvores e trazer a vida de volta ao vale familiar. 

Sebastião Salgado


Na zona de Rio Doce, em Aimorés, no Estado brasileiro de Minas Gerais, Salgado e a família combateram os efeitos nefastos do homem sobre a terra e começaram por cultivar mais de 300 espécies diferentes de árvores. A implantação desta ideia regenerou todo o ecossistema do local e trouxe de volta a Mata Atlântica então arruinada. » (Fonte: RTP)





Sebastião Salgado

Página oficial:  http://www.amazonasimages.com/



A não perder!


Na introdução de Êxodos, este Economista de formação escreveu: "Mais do que nunca, sinto que a raça humana é somente uma. Há diferenças de cores, línguas, culturas e oportunidades, mas os sentimentos e reações das pessoas são semelhantes. Pessoas fogem das guerras para escapar da morte, migram para melhorar sua sorte, constroem novas vidas em terras estrangeiras, adaptam-se a situações extremas…". (Wiki)


quarta-feira, 8 de abril de 2015

Tempo dos tambores


Cicuta


Não tragas o tempo
do lirismo exacerbado
pois crescem flores
sobre as dores
de um templo abandonado
Não tragas o vento
eco das cores
Som dos tambores
de um medo inconfessado.

Ana

Cicuta


domingo, 29 de março de 2015

As arestas

Alto Alentejo, José Alves


A erosão que descai
por debaixo desta realidade
tão frouxa
tão roxa
será limada
pela madrugada
de dias claros
Então o olhar
focará cada pétala
tão quieta
neste mar
que náufrago se vai

Ana


Alto Alentejo, José Alves



Por estes dias, sejam felizes, meus amigos!



Alto Alentejo, José Alves


quarta-feira, 25 de março de 2015

«O grande desastre aéreo de ontem»

Mediterrâneo, José Alves



«Para Cândido Portinari
Menino com carneiro - Candido Portinari
«Menino com carneiro», 1953 - Portinari


Vejo sangue no ar, vejo o piloto que levava uma flor para a noiva, abraçado com a hélice. E o violinista em que a morte acentuou a palidez, despenhar-se com sua cabeleira negra e seu estradivárius. Há mãos e pernas de dançarinas arremessadas na explosão. Corpos irreconhecíveis identificados pelo Grande Reconhecedor. Vejo sangue no ar, vejo chuva de sangue caindo nas nuvens batizadas pelo sangue dos poetas mártires. Vejo a nadadora belíssima, no seu último salto de banhista, mais rápida porque vem sem vida. Vejo três meninas caindo rápidas, enfunadas, como se dançassem ainda. E vejo a louca abraçada ao ramalhete de rosas que ela pensou ser o paraquedas, e a prima-dona com a longa cauda de lantejoulas riscando o céu como um cometa. E o sino que ia para uma capela do oeste, vir dobrando finados pelos pobres mortos. Presumo que a moça adormecida na cabine ainda vem dormindo, tão tranqüila e cega! Ó amigos, o paralítico vem com extrema rapidez, vem como uma estrela cadente, vem com as pernas do vento. Chove sangue sobre as nuvens de Deus. E há poetas míopes que pensam que é o arrebol.»


                                                                                            Jorge de Lima (1893-1963)



Alpes franceses, José Alves




terça-feira, 24 de março de 2015

Deixarei os jardins a brilhar com os seus olhos

Cá de casa, José Alves


Deixarei os jardins a brilhar com seus olhos
detidos : hei-de partir quando as flores chegarem
à sua imagem. Este verão concentrado
em cada espelho. O próprio
movimento o entenebrece. Chamejam os lábios
dos animais. Deixarei as constelações panorâmicas destes dias
internos.

Vou morrer assim, arfando
entre o mar fotográfico
e côncavo
e as paredes com as pérolas afundadas. E a lua desencadeia nas grutas
o sangue que se agrava.

Está cheio de candeias, o verão de onde se parte,
ígneo nessa criança
contemplada. Eu abandono estes jardins
ferozes, o génio
que soprou nos estúdios cavados. É a dor que me leva
aos precipícios de agosto, a mansidão
traz-me às janelas. São únicas as colinas de ar
palpitando fechado no espelho. É a estação dos planetas.
Cada noite é um abismo atómico.


E o leite faz-se tenro durante
os eclipses. Batem em mim as pancadas do pedreiro
que talha no cálcio a rosa congenital.
A carne, sufocam-na os astros profundos nos casulos.
O verão é de azulejo.
É em nós que se encurva o nervo do arco
contra a flecha. Deus ataca-me
na candura. Fica, fria,
esta rede de jardins diante dos incêndios. E uma criança
dá a volta à noite, acesa completamente
pelas mãos.


Herberto Helder
Fonte: Instituto Camões

sábado, 21 de março de 2015

Como felino...

Alto Alentejo, José Alves

Lá fora a primavera assoma tímida. Pequenas alvas flores cobrem a planície, dir-se-ia que a neve desceu afoita, mas uma leve brisa vinda do Norte levanta um doce aroma e sabemos, então, que o branco manto é tecido na ternura de dias ainda por vir. 
Deambulamos por aqui, horizonte largo e céu apocalíptico. Tempo necessário à trovoada que não chega. Como felino, lince que se esgueira entre giestas, sei que não virá. 
Esta não era a Primavera prometida. A chuva há três meses não fecunda este chão. Os tempos são austeros. Não me lembro de dias assim. Um faz-de-conta apoderou-se dos homens que correm sem rumo, numa pressa infinda e desesperada que não posso comungar. O meu é o horizonte estendido que se abre, lento e decidido, no caminho da esperança renovada.


Ana

sexta-feira, 20 de março de 2015

«Como uma flor vermelha»

«Jardim de Giverny», Monet Vetor


À sua passagem a noite é vermelha,
E a vida que temos parece
Exausta, inútil, alheia.

Ninguém sabe onde vai nem donde vem,
Mas o eco dos seus passos
Enche o ar de caminhos e de espaços
E acorda as ruas mortas.

Então o mistério das coisas estremece
E o desconhecido cresce
Como uma flor vermelha.


Sophia de Mello Breyner Andresen,

Obra Poética I


                                     Que a Primavera vos seja suave, mas renovadora!

quarta-feira, 18 de março de 2015

«Quem decifra o código?»

Museu do Bardo, Tunes, Tunísia



(Haicais)
17
Um verso livre
esta é a nossa casa


18
Não consigo pegar o que me dizes
a erva agarra-se às paredes

19
Entre nirvana e catarse
o inesperado


20
Tira os sapatos antes de entrar
no umbral do templo do coração


                                     Youssef Rzouga, Poeta da Tunísia

Museu do Bardo, Tunes, Tunísia

"
...nós somos pássaros migradores,
só para voar como deve ser em
forma de um coração gigante,
de baixo e alto
e no sentido inverso dos ponteiros
de um relógio,
só para ter a possibilidade
de compor outra canção paralela
ao comboio rápido.
Dó, ré, mi, fá, sol!...."



Youssef Rzouga, Poeta da Tunísia



Porta tradicional, Tunísia (google)

QUEM DECIFRA O CÓDIGO?

      "Eu irei..."
     aqui desde a mais remota antiguidade
     tudo me parece velho
     o alter ego
     o coração e seus arredores
     a cabeça
     e o que parece muito amigo
     quem decifra o código?
     Estas palavras já foram felizes
     em algum lugar

     Algo meu
     não compartilho contigo
     não digo a ninguém
     é a última coisa que se perde
     entre o arco-íris e o Arco do Triunfo
     tudo se perde
     um olhar carregado de tristeza
     um ciclo de raiva cega
     tudo gira
     ao redor da capa de ozónio
     a terra a cabeça etc...

     Entre o alfa e o ómega
     tudo se perde
     um suposto amigo
     uma rosa
     eu mesmo Youssef Rzouga
     todos até Victor Hugo
     quem decifra o Código?
     Estas palavras tornarão
     a alegrar outros lugares

     "Eu irei..."
      em busca de outro "abri.."
      um labirinto me sorri
      todos vivem sem abrigo
      entre Romeu e Julieta
      há um falso testemunho
      uma natureza morta
      Desde o umbigo é todo o universo
      quem decifra o código?

      "Eu irei..."
      tudo me intriga
      o alter ego
      o silêncio dos medíocres
      a bondade de um tal Youssef Rzouga
      tudo...

      "Eu irei..."
      não posso viver no passado
      estas palavras deverão alegrar
      outros lugares

    tradução/espanhol/lilian reinhardt



                                    Youssef Rzouga, Poeta da Tunísia





sexta-feira, 13 de março de 2015

Mandamentos

Jacques-Louis David, A morte de Sócrates


        Não questiones, que te oferecem cicuta.





Pirâmides no Sudão, Álvaro Figueiredo



Não acredites em lugares comuns, olha as pirâmides do Sudão.


Deus Atum - Egipto




Olha o Deus Atum, nas ruínas da Humanidade anterior.



Arte etrusca, Itália



Não te apresses, que a nova Era medieval assoma no horizonte.



Sudão, Álvaro Figueiredo



                                     Cómodos silêncios se instalam.



(Existem mais de duzentas pirâmides no Sudão.)