Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 22 de dezembro de 2018

Amigos

Xico Pereira


Na minha infância, o frio tinha pérolas de orvalho e a bruma da planície humedecia as minhas pestanas longas. Havia sobre os telhados uma carícia de verde e o fumo erguia-se de lareiras em ondas de uma harmonia secreta. Lá fora, a geada e a repressão.
Na minha infância, de menina privilegiada, havia um olhar atento de gumes e pratos que distribuía cheios pelos vizinhos. E eu soube, desde então, qual o sentido das Festas e qual a medida da Justiça. 
Desde esse eco distante, na remota aldeia alentejana, vos desejo umas Boas Festas.



(*pagá-lo)



Zurique, 2018


Um Ano Novo Melhor!

Com Amizade,
Ana Maria


sábado, 15 de dezembro de 2018

Dirás que o fogo aquece...



Sudão, FOLHA.COM

Que faremos, após o serão?
Que faremos, depois no Verão?
Dirás que o fogo aquece...
Dirás que o Sol aquece...

Dirás Etiópia ou dirás Sudão?
Dirás Amor ou será Paixão?
E leremos o Passado...
E teremos o legado!



Etiópia, FOLHA.COM

A sombra se ergue
E o Medo vagueia...
O Amor te abriga,
A Paixão te ateia!

Na clausura dos dias
Não ergas @ rede...
Na clausura dos dias
Não sacies a sede!


Sugestão de leitura

Dirás Etiópia ou dirás Sudão?
Dirás Amor ou será Paixão?
E leremos o Passado...
E teremos o legado!


TVI24

Que faremos, após o serão?
Que faremos, depois no Verão?
Dirás que o fogo aquece...
Dirás que o Sol aquece...

Ana









terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Do silêncio



Maranhão, Avis - José Alves

É o silêncio necessário que os longuíssimos dias nos trazem. Infindáveis tarefas que o virtual não alcança...


sexta-feira, 23 de novembro de 2018

SINAIS DE FOGO...sugestão de leitura





«Romance único de Jorge de Sena, parcela de um projecto romancesco de grande dimensão cuja designação genérica seria Monte Cativo, objectivando o recorte de uma geração nascida nos finais dos anos 10 do século XX, Sinais de Fogo abriga em si o despertar de um jovem, entre um grupo de amigos e familiares, para a sexualidade, a política e o fazer poético.
De uma erudição e de um rigor literário inexcedíveis, aqui se fixa um olhar sobre o ano de 1936 português, tendo como pano de fundo o início da Guerra Civil de Espanha.

Colecção Mil Folhas.»



Paradise, Califórnia  (Google, news)


GÉNESIS
De mim não falo mais: não quero nada.
De Deus não falo: não tem outro abrigo.
Não falarei também do mundo antigo,
pois nasce e morre em cada madrugada.

Nem de existir, que é a vida atraiçoada,
para sentir o tempo andar comigo;
nem de viver, que é liberdade errada,
e foge todo o Amor quando o persigo.

Por mais justiça... -Ai quantos que eram novos
em  vão a esperaram porque nunca a viram!
E a eternidade...Ó transfusão dos povos!

Não há verdade:  o mundo não a esconde.
Tudo se vê: só se não sabe aonde.
Mortais ou imortais, todos mentiram.

                                                                                                         Jorge de Sena



«Jorge Cândido de Sena nasceu em 2 de Novembro de 1919 em Lisboa. Terminou em 1936 o seu curso de liceu (média de 13 no 5.º e 6.º anos, média de 14 no 7.º ano), ano em que se inscreveu nos preparatórios para a escola naval . Formou-se em engenharia civil na faculdade de engenharia do Porto (licenciou-se com 13 valores).
Até 1959 foi funcionário da Junta Autónoma de Estradas, data em que se exila no Brasil, onde conclui o doutoramento em letras e rege as cadeiras de teoria da literatura e literatura portuguesa na Universidade de Araquara.
A partir de 1965 passa a viver nos E.U.A. acompanhado da esposa Mécia de Sena, de quem teve nove filhos, sendo professor catedrático na Universidade de Winsconsin e, posteriormente na Universidade da Califórnia - Santa Bárbara, onde dirigiu o departamento de literatura portuguesa e espanhola. Recebeu ao longo da sua vida vários prémios, entre eles a Grã-Cruz de Santiago.
Faleceu em 4 de Junho de 1978. Três dias depois, a Assembleia da República exprimia pesar unânime, certamente partilhado por todos os que tiveram a honra de o conhecer a si ou à sua obra.»







sábado, 17 de novembro de 2018

Afã



Alberta Cruz



Correm os dias na estridência do vidro.
Simples serenos, incautos seremos...
A fímbria do sonho reflecte a manhã
Vestida de bruma, fumo ou espuma?
Contigo, os dias serenos, seremos...
Ao longe, a estridência recorta, ímpia,
O sono dos justos, o gume, o afã...
E, serenos, incautos, justos, seremos!

Ana


quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Temos o dever

Revista, Exame


Esta não é uma marcha triunfal. 
Não vivemos num tempo em que se possa perdoar o hedonismo. A ilusão do mundo virtual não pode distrair a triste realidade de afloramentos perigosos. A decadência narcisista tomou conta dos valores humanos, especialmente no, dito, Ocidente...
Entre o Modernismo e uma Idade por vir, atolamos a Humanidade numa Idade do Meio, uma Idade Média em que tudo se desconstrói.
Temos o dever de desconstruir a superficialidade reinante.
Assim, e para que nunca possas dizer que não te falei das flores, recordemos o duro silêncio de todas as religiões e a mudez de todas as almas que se dizem boas...
Não me peças um poema doce, pois este é um caminho para perigosos regressos e já outros, antes de mim, ergueram as suas vozes. 




Caminhando e cantando e seguindo a canção Somos todos iguais braços dados ou não Nas escolas nas ruas, campos, construções Caminhando e cantando e seguindo a canção Vem, vamos embora, que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer Vem, vamos embora, que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer Pelos campos há fome em grandes plantações Pelas ruas marchando indecisos cordões Ainda fazem da flor seu mais forte refrão E acreditam nas flores vencendo o canhão Vem, vamos embora, que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Há soldados armados, amados ou não Quase todos perdidos de armas na mão Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição De morrer pela pátria e viver sem razão Vem, vamos embora, que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Vem, vamos embora, que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Nas escolas, nas ruas, campos, construções Somos todos soldados, armados ou não Caminhando e cantando e seguindo a canção Somos todos iguais braços dados ou não Os amores na mente, as flores no chão A certeza na frente, a história na mão Caminhando e cantando e seguindo a canção Aprendendo e ensinando uma nova lição Vem, vamos embora, que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Vem, vamos embora, que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

domingo, 4 de novembro de 2018

Ao Deus de Espinoza...





"Orfeu Encantando os Animais", por Aelbert Cuyp, 1640



Baruch Espinoza nasceu em 1632 em Amesterdão, descendendo de judeus portugueses, e morreu em Haia em 1677. Foi um dos grandes racionalistas do século XVII, juntamente com René Descartes e Gottfried Leibniz.   
Em certos dias, apetece-me orar ao Deus de Espinoza... 




      
DEUS SEGUNDO ESPINOZA

"Pára de ficar rezando e batendo no peito!

O que eu quero que faças é que saias pelo mundo e usufruas da tua vida.

Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que fiz para ti. 

Pára de ir a esses templos lúgubres, obscuros e

frios que tu mesmo construíste e que acreditas serem a minha casa.

A minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nos lagos, nas

praias.

Aí é onde Eu vivo e aí expresso meu amor por ti. 

Pára de me culpar da tua vida miserável:

Eu nunca te disse que há algo mau em ti ou que eras um pecador, 

ou que tua sexualidade fosse algo condenável.

O sexo é um presente que Eu te dei e com o qual podes expressar 

o teu amor, o teu êxtase, a tua alegria.

Assim, não me culpes por tudo o que te fizeram crer. 

Pára de ler supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo.

Se não podes ler - Me num amanhecer, numa paisagem, no olhar de teus

amigos, nos olhos de teu filhinho...

não me encontrarás em nenhum livro!

Confia em mim e deixa de me pedir. Tu vais - me dizer como fazer o meu

trabalho? 

Pára de ter tanto medo de mim. 
Eu não te julgo, nem te
critico, nem me irrito, nem te incomodo, nem te castigo.

Eu sou Puro Amor.    Pára de me pedir perdão. 

Não há nada a perdoar.

Se Eu te fiz... Eu te enchi de paixões, de limitações, de prazeres,

de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio.

Como posso culpar-te se respondes a algo que eu pus em ti?

Como posso castigar-te por seres como és, se Eu sou quem te fez?

Crês que eu poderia criar um lugar para queimar a todos meus filhos

que não se comportem bem, pelo resto da eternidade?

Que tipo de Deus pode fazer isso? Esquece qualquer tipo de

mandamento, qualquer tipo de lei; essas são artimanhas para te

manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti.

Respeita teu próximo e não faças o que não queiras para ti.

A única coisa que te peço é que prestes atenção a tua vida, que

teu estado de alerta seja teu guia.

Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho,

nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso.

Esta vida é a única que há aqui e agora, e a única de que precisas.

Eu te fiz absolutamente livre. Não há prémios nem castigos.

Não há pecados nem virtudes.

 Ninguém leva uma placa.
 Ninguém leva um registo.

Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.

Não te poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso dar-te um conselho:

Vive como se não o houvesse.

Como se esta fosse tua única oportunidade de aproveitar, de amar, de existir.

Assim, se não há nada, terás aproveitado a oportunidade que te dei.

E se houver, tem certeza que Eu não te vou perguntar se foste bem

comportado ou não.

Eu vou perguntar-te se tu gostaste, se te divertiste... Do que mais

gostaste? O que aprendeste? 

Pára de crer em mim - crer é supor,
adivinhar, imaginar.
Eu não quero que acredites em mim. Quero que me sintas em ti.

Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada, quando agasalhas

tua filhinha, quando acaricias o teu cachorro, quando tomas banho no
mar. 

Pára de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra acreditas, tu, que Eu seja?

Aborrece - me que me louvem. Cansa-me que agradeçam.

Tu sentes-te grato?
Demonstra-o cuidando de ti, da tua saúde, das tuas relações, do mundo.

Sentes-te olhado, surpreendido?
 Expressa a tua alegria!
 Esse é o modo de me louvar.   
Pára de complicar as coisas e de repetir como

papagaio o que te ensinaram sobre mim.

A única certeza é que tu estás aqui, que estás vivo, e que este

mundo está cheio de maravilhas.

Para que precisas de mais milagres?

Para quê tantas explicações?

Não me procures fora! Não me acharás.
Procura-me dentro de ti,
aí é que estou."



Resultado de imagem



Einstein, quando interrogado se acreditava em Deus, respondeu:

"Acredito no Deus de Spinoza, que se revela por si mesmo e na

harmonia de tudo o que existe.

domingo, 28 de outubro de 2018

Cega e Paralisa


Portinari, Guerra e Paz, ONU



No ano de 1940, um grande poeta brasileiro, escrevia um poema intemporal a que deu o sábio título de «Congresso Internacional do Medo». Imperioso lê-lo, hoje, quando o mundo se agita em desequilíbrios de toda a ordem e no momento em que muitas sombras espreitam. 
O Medo cega e paralisa a consciência humana.



Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio porque esse não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte,
depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas.


                                                        Carlos Drummond de Andrade


Portinari FB Mão - Estudo Guerra e Paz
Cândido Portinari, A Construção de uma Mão



“Não, essa ameaça da barbárie fascista não desapareceu totalmente. Por isso, apelamos sempre para uma verdadeira insurreição pacífica contra os meios de comunicação de massas, que, como horizonte para os nossos jovens, só sabem propor o consumo de massas, o desprezo pelos mais fracos e pela cultura, a amnésia generalizada e a competição desenfreada de todos contra todos. A todos aqueles e aquelas que construirão o século XXI, dizemos com carinho: criar é resistir. Resistir é criar”.


Stéphane HESSEL, Indignai-vos!, 2010

domingo, 7 de outubro de 2018

No gume

Pedro Lima


É no limiar do sonho
Na pura escorrência 
Que a luz se inicia

Orvalho da ousadia
Permanência e energia

É no gume do sonho
Na emergência do dia
Que o Amor principia


Ana


sábado, 29 de setembro de 2018

«Janela do Caos»


O amor em tempos de caos Jan Toorop ( Johannes Theodorus Toorop )
 1858 - 1928 Holandês pintor indonésio simbolismo 


Harmonia do terror
Quando a alma destrói o perdão
E o ciclo das flores se fecha
No particular e no geral:
Nenhum som de flauta,
Nem mesmo um templo grego
Sobre colina azul
Decidiria o gesto recuperador.
Fome, litoral sem coros,
Duro parto da morte.
A terra abre-se em sangue,
Abandona o branco Abel
Oculto de Deus.


(mestre da poesia brasileira) Murilo Mendes, «Janela do Caos»



Indonésia, hoje, Estadão








domingo, 23 de setembro de 2018

Primeiro dia

Lago de Zurique, 2018 - José Alves


Trago, ainda, no olhar o reflexo benigno do Zürichsee e tombo num mundo às avessas. Incrédula, neste primeiro dia...


«Dois dias de aulas, dois esfaqueamentos em escolas. Segundo avança a TVI24, um aluno de uma escola de Ponte de Sor foi atacado por um colega, nesta terça-feira. O agressor, de 18 anos, foi detido pela GNR.
Um adolescente de 16 anos foi esfaqueado por um colega, na manhã desta terça-feira, na Escola Secundária de Ponte de Sor.» (PT, Jornal)

Meus alunos, meus alunos...no intervalo da minha aula, que semente de violência germinou?

Ana



sábado, 8 de setembro de 2018

Há Lugares

Rio Limmat, 2018 - José Alves


Há lugares onde os rios não correm para o mar.


Suíça, 2018 - José Alves


Há lugares onde os  sonhos ancoraram e a diversidade se instalou.



Zurique, 2018 - José Alves


Há lugares a que retornamos quando o Amor nos impele.


Rio Limmat, 2018 - José Alves


Há lugares de um brilho que a chuva de Agosto não pode ofuscar.


Suíça, José Alves - 2018


Há lugares de um degelo tão puro que a vida principia.


Suíça, 2018 - José Alves


Há lugares de minúcia que nos beijam e acolhem.


Lago Zurique, 2018 - José Alves



Há lugares onde o fruto do nosso Amor se instalou.



sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Rumos

José Alves, 2018


Só fui onde o coração me levou...


José Aves, 2018



...e voltei.






sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Franco, o galego

Caminha, José Alves - 2018

Caminha...assim, suspensa nos dias da nossa memória. A luz irreal de uma manhã tão quente quanto a nossa paixão. 



Foz do rio Minho, José Alves - 2018

Luminosa e atenta claridade descendo até à foz. Santa Tecla contemplando o português que se agita e curva sobre o barco frágil...


Foz do rio Minho, José Alves - 2018

Já não se houve o som dos tiros. Mostraste-me, por vezes, as paredes fronteiriças de Guarda, a galega vila defronte, com as marcas das rajadas de execução. Lembravam-se, ainda, desse grito assassino sob comando de Franco, o galego. 

Resultado de imagem para crianças saudam tumulo de franco rivera


Ainda se erguem as vozes do Caudillo e, perante o seu túmulo, às crianças se ensina a tenebrosa saudação. 

Resultado de imagem para túmulo de franco
Vale dos Caídos, RTP


E ainda há quem me questione se considero relevante a obra de Saramago que, agora, lecciono ao 12.º ano - O Ano da Morte de Ricardo Reis! Esse fatídico 1936... Desculpem lá, colegas! Somos professores.  O que queremos, nós, ensinar às nossas crianças?


Ana


quinta-feira, 16 de agosto de 2018

A Neo-Penélope

Figueira da Foz, 2018 - José Alves


Foi aqui que em 2015 - e de luto recente pelo meu pai - li a notícia da morte de Ana Hatherly. Chegara ao planeta a 8/5 e partia a 5/8...posso até imaginar algumas correspondências pitagóricas que faria a propósito destas datas. Leio um livro que comprei na feira vizinha e cujo título é, curiosamente, Grécia Mágica - o fogo secreto dos gregos - obra ligeira e especulativa, mas ainda assim, interessante e adequada à ligeireza destes dias.
Subitamente, a D. envia uma mensagem. Investiga o espólio da Autora e...lá está uma das minhas cartas. Mestra e amiga, Ana Hatherly guardou-a. Sinto uma nostalgia que o dia não dissipa. Também eu recebi cartas que guardo... Afinal, o segundo «post» deste blogue foi-lhe dedicado ( De Cuba a Bassorá). Eu conheci a professora e vislumbrei a pessoa por detrás do olhar límpido e azul. Soube, de viva voz, alguns dos seus dramas íntimos - perdas irreparáveis. Conheci-lhe aquela vaidade de quem tem consciência de estar acima do provincianismo bacoco. Soube-a resistente,multifacetada e inconformada.


Com um lápis na mão

Ontem 
Estive pensando em ti
Com um lápis na mão.

Era um desafio
Uma maneira de enfrentar uma crise
Mas era um filtro

Queria escrever-te
Escrever-te veladamente
Escondendo o meu tormento
Atrás de um tecido sedoso de palavras.

Mas não consegui.
O lápis permaneceu imóvel.
Dentro de mim
Só se ouvia uma voz que dizia:
Cala-te! Cala-te!

Ana Hatherly, in Neo-Penélope, p.18








quinta-feira, 9 de agosto de 2018

A Vida...

Rafal Olbinski,
"Calendar of Yesterday's Wishes"


Frágil voa para Sul,
Inquieta e ágil...
A Vida, neblina azul.
E o Homem fremente,
Paixão e Razão...
Declina e definha 
A Vida frágil, inquieta,
Precária a Sul...

Ana





quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Fabris, 1925

Fabris, Veneza

Entramos. É a curiosidade que nos faz entrar ou a multidão que nos leva nessa onda humana? Não saberemos nunca. De tantas vezes em Itália, esta é a primeira na cidade naufragada. Há muita coisa bela por aqui e muito «cliché» vendido. O mundo ficcionou o arquipélago e, ainda mais, estas ruas estreitas e largas praças. Todos amam Veneza e não te falarei disso. O postal ilustrado foi, há muito, vendido. Afinal, esta é uma cidade de mercadores. Também te amei em Veneza ao som dos violinos do Florian. Também bebi o café da mais velha cafetaria, ou não. Entrámos e, como outros, comprámos verdades e falsificações.
Saímos e só aquela data - 1925 - se fixa na memória. Giuliana ou Giancarlo Fabris não são actores para a minha vida mental. 
A História que ressurge não tem o brilho das águas do Adriático, nem dos canais. Não desaguou aqui. Foi a 3 de Janeiro desse ano de 1925 que o Duce se revelou inteiro - o pai do povo, que regula e reprime, que liberta nesse ano os fascistas presos e trava a batalha do trigo e, e, e...
Ah, Bela, como os perigos te espreitam!

Ana

segunda-feira, 30 de julho de 2018

ALENTEJO SEEN FROM THE TRAIN

José Alves, 2018


Fernando Pessoa

ALENTEJO SEEN FROM THE TRAIN


Nothing with nothing around it
And a few trees in between
None of which very clearly green,
Where no river or flower pays a visit.
If there be a hell, I've found it,
For if ain't here, where the Devil is it?
1907
Poemas Ingleses . Fernando Pessoa. (Edição bilingue, com prefácio, traduções, variantes e notas de Jorge de Sena e traduções também de Adolfo Casais Monteiro e José Blanc de Portugal.) Lisboa: Ática, 1974. 
 - 198.



José Alves, 2018




ALENTEJO VISTO DO COMBOIO

Nada com nada ao redor

E algumas árvores no meio

Nenhum dos quais muito claramente verde,

Onde nenhum rio ou flor faz uma visita.

Se houver um inferno, eu encontrei

Pois se não está aqui, onde está o diabo?



1907
Poemas Ingleses. Fernando Pessoa. (Edição bilingue, com prefácio, tradução, variação e notas de Jorge de Sena e também de Adolfo Casais Monteiro e José Blanc de Portugal.) Lisboa: Ática, 1974. - 198.





Um vento apocalíptico varre a planície, durante o fenómeno natural. As histórias da minha infância regressam e desafiam os medos ancestrais...esse respeito ínfimo de união ajusta-nos à serenidade calma de sermos alentejanos.