Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

A Cegueira da Governação






Príncipes, Reis, Imperadores, Monarcas do Mundo: vedes a ruína dos vossos Reinos, vedes as aflições e misérias dos vossos vassalos, vedes as violências, vedes as opressões, vedes os tributos, vedes as pobrezas, vedes as fomes, vedes as guerras, vedes as mortes, vedes os cativeiros, vedes a assolação de tudo? Ou o vedes ou o não vedes. Se o vedes como o não remediais? E se o não remediais, como o vedes? Estais cegos. Príncipes, Eclesiásticos, grandes, maiores, supremos, e vós, ó Prelados, que estais em seu lugar: vedes as calamidades universais e particulares da Igreja, vedes os destroços da Fé, vedes o descaimento da Religião, vedes o desprezo das Leis Divinas, vedes o abuso do costumes, vedes os pecados públicos, vedes os escândalos, vedes as simonias, vedes os sacrilégios, vedes a falta da doutrina sã, vedes a condenação e perda de tantas almas, dentro e fora da Cristandade? Ou o vedes ou não o vedes. Se o vedes, como não o remediais, e se o não remediais, como o vedes? Estais cegos. Ministros da República, da Justiça, da Guerra, do Estado, do Mar, da Terra: vedes as obrigações que se descarregam sobre vosso cuidado, vedes o peso que carrega sobre vossas consciências, vedes as desatenções do governo, vedes as injustças, vedes os roubos, vedes os descaminhos, vedes os enredos, vedes as dilações, vedes os subornos, vedes as potências dos grandes e as vexações dos pequenos, vedes as lágrimas dos pobres, os clamores e gemidos de todos? Ou o vedes ou o não vedes. Se o vedes, como o não remediais? E se o não remediais, como o vedes? Estais cegos.
Padre António Vieira, in Sermões, séc. XVII

11 comentários:

São disse...

Excelente citação de alguém que muito admiro!

Uma noite serena.

Rogério Pereira disse...

:-)) para a beleza do texto
:-(( para o conteúdo e contexto

Andradarte disse...

Talvez uma mistura de Cego e de Covarde.
Muito a tirar daí.....
Beijo

Fê-blue bird disse...

Minha amiga:
Estes sermões são intemporais o que prova que em nada evoluímos, pelo contrário.

beijinhos e bom fim de semana se possível :(

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Que dizer? E não se aprendeu nada, entretanto?
Cegos somos nós que não acertamos na cruzinha.
Beijinho, amiga, e bom fim de semana.
Isabel

Olinda Melo disse...

Sim.

'Ou o vedes ou o não vedes. Se o vedes, como o não remediais? E se o não remediais, como o vedes? Estais cegos.'

Pe António Vieira, actualíssimo. Mais vale realmente, falar aos peixes...

Bjo

Olinda

helia disse...

Um excelente sermão que se adapta perfeitamente aos nossos dias.
Bom fim de semana.

BlueShell disse...

Sempre atual.

Aplauso!

Bj

mixtu disse...

actual...
muito...

abrazo serrano

Flor ♥ disse...

Querida Aninha,

Um texto de séc. XVII e atual como nunca! Triste esse nosso séc. XXI - a "era do gelo" emocional. Perdemos a capacidade de doar carinho e afeto?

Lembra-me um texto de Virgínia Wolf que gosto muito:

"Era esquisito, e inteiramente verdade; tudo o que não se podia compartilhar... esvaía-se em pó."

Bjs.

Nilson Barcelli disse...

E, com os tempos, cada vez vêem menos...
Os sermões do P. António Vieira são um património literário admirável.
Beijos, querida amiga.