Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 8 de novembro de 2015

A vida não finda

Maxfield Parrish  (1870-1966)
«Land of make­believe»


Silencioso sonho
Que buscas ainda
Na dobra do mar,
Na orla do tempo.
A vida não finda
É sopro e é vento,
Doce medronho,
Jasmim ao luar!


Ana






6 comentários:

Majo disse...

~~~
~ Muito belo, Ana.
~~~~~~~~~~~~

~~ Dias felizes.~~
~~~~~~~~~~~~

Rogerio G. V. Pereira disse...

Silvestres odores
promessas de vida

trazidas pela brisa

São disse...

Um belo poema que , sendo muito breve, transmite a essência.

Minha querida, boa semana e grande beijo :)

Fê blue bird disse...

Essa busca faz parte do sonho querida Ana.

Um beijinho e boa semana



Mar Arável disse...

No Outono quase tudo cai

folhas máscaras até felizmente o desgoverno
Bjs

© Piedade Araújo Sol disse...

Ana
é isso mesmo, o sonho não morre.
se um morrer, plantamos outro, nem que seja só nosso!
muito belo!
beijinhos
:)

http://olharemtonsdemaresia.blogspot.pt/