Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

segunda-feira, 20 de março de 2017

Hu.ma.ni.da.de

Itália, Veneza


Há mundos líquidos, por onde correm os sonhos dos homens. Lugares idílicos, aonde se reinventam rumores de antanho. Primaveras secretas que arfam no peito dos lunáticos e dos amantes devorados pela paixão e, esta, paradigma do destino último da humana condição - a morte.

Secretos, intranquilos, mergulhamos na atonia e no caos.

Que restará desta geração que - absorta, edonista e irascível - se afunda lentamente, pasmada no plasma e na contemplação de si mesma?

Haverá lugares obrigatórios e guerras necessárias?

Já te amei em Veneza e cruzei o Trieste quando a guerra grassava tão perto...
Só te posso afirmar aquilo que sei: o amor está em qualquer lugar e o sangue dos homens não é a nossa herança comum nem constrói o futuro - não te iludas, todavia! 
Somos a Humanidade.


Ana


Líbia, Sirte









hu·ma·ni·da·de 
(latim humanitas-atis)
substantivo feminino
1. O conjunto dos homens.
2. Natureza humana.
3. Género humano.
4. Bondade.
5. Benevolênciacompaixão.

"humanidade", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/humanidade [consultado em 20-03-2017].


11 comentários:

Edumanes disse...

Acredito! Somos humanidade,
no abandono do sentimento
não somente na desigualdade
combalida de dor e sofrimento!

Tenha uma boa noite amiga Ana, um beijo,
Eduardo.

As Mulheres 4estacoes disse...

Acredito que o amor realmente está em qualquer lugar, mas principalmente dentro de nós.
É nossa capacidade de amar que nos torna mais humanos.
Um abraço,
Sônia

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, as guerras são necessárias, não para uma maioria, mas sim, para uma minoria que provocam crises e guerras, para dai extrair benefícios de varia ordem, estes continuam impunes porque nada lhes acontece, o maior exemplo são o criminosos, Durão Barroso, Blair, Bush e Aznar, que em 16/03/2008 decidiram com base na mentira atacar e matar milhares de inocentes, acredito, que exista amor na maiorias das pessoas, neste que acima referi, existe só oportunismo.
AG

Fernanda Maria disse...

Só tu minha amiga, para escreveres desta maneira tão intensa e certa o que se passa com a HUMANIDADE!

Tememos pelo futuro dos nossos filhos, dos nossos netos.

Um beijinho Ana e bom fim de semana


O Toque do coração

Mar Arável disse...

O amor não tem fronteiras

é possível "amar uma pedra"
Bj

AC disse...

Ah, Ana, que maravilhosa forma de dizeres algo tão pertinente, tão urgente...!

Um beijinho :)

Manuel Veiga disse...

"na contemplação de si mesma"..

julgo que estamos a falar da mesma coisa, em lugares diferentes
mesmo falando da mesma coisa.
e ganhamos ânimo

(falo por mim, naturalmente)

beijo

Graça Pires disse...

Não há lugar para ilusões, Ana. Dizes isto com muita lucidez, neste belo poema. Mas o amor existe. Apesar de tudo, ou apesar de nada...
Um bom fim de semana.
Um beijo.

Jaime Portela disse...

E a humanidade por vezes é perversa.
Também já fui feliz em Veneza...
Excelente texto, gostei muito, querida amiga.
Ana, tem um bom fim de semana.
Beijo.

ginginha disse...

Belo texto o seu e tão verdadeiro! Mas a História repete-se; a humanidade eleva-se e desce , desce às profundezas da miséria humana. Mas a Esperança é o nosso último reduto e temos de agarrá-la! A Utopia é , sempre, um sonho possível ....

O Puma disse...

Vozes ao alto