Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Da tranquilidade...


Doitri.com




Há, no meu jardim, um pouco dos lugares por onde andei. O Mediterrâneo veio aqui desaguar, numa branda transparência de azuis, numa onda íntima de sossego e serenidade. Há, no meu jardim, uma Humanidade que se mescla nos odores adocicados deste Abril de espanto e dor. Nele me distendo, depois de duros dias de trabalho. Refúgio onde me sento e releio Kafka. Que querias que lesse, nos dias que correm? Deixa a tua torre de marfim, sai do teu pequeno mundo, olha ao redor...Este é o momento que ele definiu tão bem: ansiedade e alienação!


Ana


13 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Deixa a tua torre de marfim,
- deixei
sai do teu pequeno mundo,
- saí
olha ao redor
- olhei,
olhei mais longe ainda
e tal longe é a Síria

Majo Dutra disse...

Exatamente como referes, Ana, tempos de espanto, desassossego e loucura.
Apesar disso, bem precisas relaxar e repousar nos poucos dias de férias
que te dão para revigorar.
Grande abraço, Amiga.
~~~~~~~~~~~~~~

Bípede Implume disse...

Olá querida Aninha
Olho para esse jardim e olho para o meu, depois deste inverno duríssimo que atingiu esta zona e fico de coração apertado. Algumas plantas estão vagarosamente a recuperar, outras morreram mesmo. As tais de climas mais suaves mas que resistiram aos outros invernos. Estamos na fase SOS/plantas.
Daí este interregno. Mas, como sempre,levo comigo a tua generosa palavra poética.
Beijinho de muita amizade.

Olinda Melo disse...


Querida Ana

Muito bom repousar o olhar nesse teu jardim.
Depois...revigorados, poderemos tentar encontrar
remédio para a loucura que grassa pelo mundo.
Consegui-lo-emos? Não sei. Mas é importante, é
urgente, que todos nós o tentemos sempre, sem
desfalecimento.

Bj

Olinda

Fernanda Maria disse...

Os teus olhos e o teu coração não repousam minha amiga, como podem se vêem tão longe.

Um beijinho


O Toque do coração

Edumanes disse...

Esse jardim seja eterno,
pela guerra seja destruído
nem vandalizado pelo inferno
verde, se mantenha florido!

Tenha uma boa noite amiga Ana, um beijo,
Eduardo.

Graça Pires disse...

Um jardim de encanto onde te encontras com os escritores que amas. Sim é uma boa altura para reler Kafka...
Uma boa semana, Ana.
Um beijo.

Manuel Veiga disse...

há jardins assim - que dão gosto percorrer

beijo

CÉU disse...

"Da Tranquilidade" ou do Desassossego, gosto mto de ler o que escreves, Ana!

Beijos e boa Páscoa!

alfacinha disse...

O jardim é como os seus textos,maravilhoso
bjo

Jaime Portela disse...

É uma boa ideia reler Kafka, faz todo o sentido neste mundo actual.
Gostei muito do teu jardim, que tão bem pintas com as tuas palavras.
Votos de uma Páscoa Feliz, extensivos à família, querida amiga Ana.
Beijo.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, belo jardim para apreciar as cores e toda a sua beleza, para descansar, sentir a tranquilidade juntamente com canto dos pássaros, boa continuação de pausa escolar.
Votos de Páscoa repleta de alegria! Feliz Páscoa!
AG

Odete Ferreira disse...

O (teu) jardim é texto e pretexto, é sossego e desassossego, é trégua e luta.
Excelente escrito, na tríade jardim, sujeito poético e Kafka.
Bjinho, Ana
(Li-o antes da Páscoa mas não deixei comentário; agora, relendo, desejo que estes dias tivessem sido revigoradores)