Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Entre mouros e visigodos



Portas de Ródão, José Alves

Andámos à deriva, mergulhados nas lendas deste país, aturdidos pela brisa insistente, fugidos a um trabalho sem tréguas. É preciso recarregar, é urgente retornarmos a lugares que deixámos cristalizados num tempo já antigo. Ainda ouvimos a voz serena do mestre que nos levou, tão jovens, a subirmos aqui acima.

Ródão, José Alves

 Destroçada, a rainha adúltera, pragueja, na imensidão da paisagem: « Nesta terra não haverá cavalos de regalo, padres não se ordenarão e putas não faltarão».



Portas de Ródão, José Alves

(Versão popular)

«Wamba, rei visigodo, fundou o Castelo de Ródão, onde vivia com a sua mulher e filhos. A rainha fugiu, certo dia, para os braços de um rei mouro, o que levou Wamba a procurá-la, disfarçado de mendigo.
Ela reconheceu-o, fingiu ser prisioneira do mouro e escondeu o marido no próprio quarto, entregando-o em seguida ao amante.
Pediu Wamba à generosidade do inimigo que lhe concedesse tocar pela última vez a sua corna. Os seus companheiros de armas ouvindo-o, acudiram-lhe. Mataram o rei mouro, e trouxeram a rainha para o Castelo de Ródão.
Por sugestão do filho mais novo, o castigo dela consistiu em ser precipitada pela íngreme encosta para o Tejo. Ao saber do castigo, a rainha proferiu a sua tripla maldição:
Adeus Ródão, adeus Ródão
Cercada de muita murta
E terra de muita ...
Não terás mulheres honradas
Nem cavalos regalados
Nem padres Coroados!»
Diz-se que por onde o corpo rolou nunca mais cresceu mato.» 



José Alves, 2017

NB: a praga da rainha pode ler-se neste cartaz.



10 comentários:

Majo Dutra disse...

Gostei do bom humor que ressalta como uma «moral da história».
Que pena ver um monumento e um pedacinho do nosso chão amaldiçoado
pela sombra da presença de uma traidora... com um mouro, era crime
de lesa-pátria!
Beijinho sorridente.
~~~~

Rogerio G. V. Pereira disse...

Meu Sangue Mouro
sai desta sanha
envaidecido

alfacinha disse...

O tempo dos Mouros, um período desconhecido na história portuguesa mas deve ser muito interessante e cativante para conhecer.´
Abraço

Jaime Portela disse...

Nunca lá estive.
Achei a lenda interessante, não conhecia.
Bom fim de semana, amiga Ana.
Beijo.

Mariazita disse...

Depois de uns dias de ausência, primeiro por umas mini férias, depois por doença, estou regressando, devagar...
Já me encontro melhor, terminei os antibióticos, agora é só restabelecer...

Que delícia!
Adoro lendas. Conheço Ródão, mas não conhecia a lenda.
Gostei imenso.

Bom Fim-de-semana
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Existe Sempre Um Lugar disse...

Olá, excelente texto relativo aos mouros nos governaram no passado, fiquei a conhecer através da sua escrita.
Feliz feriado,
AG

Graça Pires disse...

Não conhecia a lenda. E gostei imenso. Também gostei das fotografias e da nossa História.
Uma boa semana.
Um beijo.

CÉU disse...

Entre Visigodos e Mouros, alguém há de escapar, Ana (rs)!

Não conhecia a história, que é interessante e significativa, e que se pode, perfeitamente, contextualizar.

Beijos.

Manuel Veiga disse...

lendas e narrativas que dão colorido â História
e lhe dá sentido.

beijo

Fernanda Maria disse...

Ana,
Gostaria tanto que encontrássemos o nosso rumo e que todos juntos, subíssemos o mais alto que pudéssemos.

Desconhecia a lenda que achei muito curiosa ;)

Um beijinho

O Toque do coração