Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 7 de outubro de 2018

No gume

Pedro Lima


É no limiar do sonho
Na pura escorrência 
Que a luz se inicia

Orvalho da ousadia
Permanência e energia

É no gume do sonho
Na emergência do dia
Que o Amor principia


Ana


9 comentários:

Graça Pires disse...

No limiar do sonho e no seu gume nasce o amor. É por isso que digo: morreremos apenas quando o amor nos assustar mais do que a morte…
Gostei muito do poema, Ana.
Uma boa semana.
Um beijo.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Tenho
não sei se um vício, se um hábito
quando sonho, estou sempre acordado

e sinto
que teu poema
me fala disso

Edumanes disse...

Se os sonhos se realizassem,
mesmo depois do princípio do dia
oportunidades não nos faltassem
do que é, o mundo melhor seria?

Tenha uma boa noite amiga Ana.

Mariazita disse...

E quando o Amor principia… tudo fica mais belo, ganha mais cor.
E o sonho flui, naturalmente.
Gostei! E gosto também da imagem.

Continuação de boa semana.
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Majo Dutra disse...

Os sonhos perspicazes...
Um poema de Amor, verdadeiramente notável!
Beijinhos, Ana, a Amiga que escreve de um modo singular.
~~~~

Jaime Portela disse...

Sendo o amor uma luz...
Excelente, gostei imenso das tuas palavras.
Ana, tem um bom fim de semana.
Beijo.

Alfacinha disse...

"No gume de sonho" que frase linda
Bjos

Manuel Veiga disse...

conciso e preciso!

no gume, onde o sonho arde ...

beijo

Olinda Melo disse...


Querida Ana

"Na emergência do dia que o sonho principia".
Vislumbro uma certa lógica nisso. São sonhos
que existem porque têm de se realizar.
Lembro-me neste momento de uma passagem
in "Mensagem", de F.Pessoa:

"Deus quer, o homem sonha, a obra nasce".

Bj

Olinda