Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 18 de maio de 2008

«Quem nada conhece, nada ama», PARACELSO

António Pedro, surrealista português

Por que dizem os portugueses, em geral, que não gostam de Saramago?
Irreverente, incongruente ...virou-nos as costas e exilou-se em Lanzarote. Esse é o homem, inconformado com os conservadores nacionais e com a Igreja católica.
Quer-nos espanhóis e nós olhamos o mar de frente. A nossa geografia tem esse perfil duro que encara o oceano e vira as costas aos castelhanos. A nossa História também.
Surge nos nossos ecrãs - ventres repletos de banalidades - e, arrogante, do alto do seu autodidactismo, perturba e incomoda intelectuais estreitos...
Mas, todavia, o homem não é o Autor!
Após o primeiro livro, lemos um e outro e vamos de inquietação em inquietação, rumo ao hedonismo ocidental que se fractura e estilhaça, ali, no âmago do HUMANO!
Saramago, o escritor, perturba e inquieta. Quem nunca foi capaz de ler um dos seus livros até ao fim, sem dúvida: não o conhece.

http://www.caleida.pt/saramago/

Ana

3 comentários:

Baú Literário disse...

Ana,
obrigado pela visita.
Gostei do teu Blog e tomei a liberdade de linká-lo ao meu Baú.
Abraços! Parabéns!

Bipede Implume disse...

O primeiro livro dele que li foi Memorial do Convento. Visitei o Convento de Mafra, sòzinha, com o livro debaixo do braço. Quer dizer, fui só, mas lá, fui incluída num grupo excursionista de Trás os Montes. Foi muito engraçado, hilariante mesmo. Também me é difícil entender quando dizem não gostar da sua leitura.
Abraço.

La delirante disse...

I love Saramago!! I especially liked the book of the convent :)