Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 4 de junho de 2011

O que há em mim é sobretudo cansaço


Knossos - José Alves/2008



O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço...

                      Álvaro de Campos

13 comentários:

Andradarte disse...

Ia dizer que fiquei cansado....mas não....Impossível cansar a ler Álvaro
de Campos....
Bom f.s.
Beijo

Nilson Barcelli disse...

Excelente escolha.
Um dos grandes poemas do Poeta.
Querida amiga Ana, bom fim de semana.
Beijos.

JPD disse...

Boa noite, Ana

Eis mais uma razão (Como se fosse necessário acrescentar mais uma!) para continuar atento ás edições neste teu espaço.

Este poema de Álvaro de Campos é extraordinário.
Uma combinação perfeita entre as dimensões de tangibilidade e emocionais.
Uma perfeição.
Fizeste uma excelente escolha.

(Nota: a partir das zero horas e um segundo há-de ser editada na blogosfera mais um espaço coma designação que se segue:
http://overdemaistenro.blogspot.com
Estás convidada.
(Tanto quanto me for possível, editarei mais de uma vez por semana com textos curtos.)

Agora que as aulas estão terminar, o que se segue: exames. Fostes destacada para avaliações?

Bjs

Sonhadora disse...

Minha querida

Lindo este poema de Pessoa, um dos poemas que eu gosto mais.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
É mesmo isso um profundo cansaço.
E por isso venho só desejar-te uma boa semana e beijinhos.
Isabel

Eva Gonçalves disse...

Lindíssimo este poema. Muito boa escolha! :) Beijinho

Vieira Calado disse...

Incontornável!

Bjsss

Olinda Melo disse...

Álvaro de Campos (ou Pessoa) no seu melhor:
‘Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser…’

Um belo momento de poesia!

Beijo
Olinda

Fernando Campanella disse...

Simplesmente maravilhoso Pessoa em Álvaro de Campos, como me identifico com esse poeta de suas plagas, minha amiga, e ainda com tanta , enorme , repercussão no Brasil. Pessoa foi o grande detonador do processo criativo em mim, quando eu tinha quinze anos. Veja esta postagem em meu blog de 2009 aludindo à importância do Pessoa em minha criação poética. Bjos, querida amiga.

http://fernandocampanella.blogspot.com/2009/03/tabacaria_17.html#comments

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, desejo-te uma óptima semana.
Beijos.

MARU disse...

Querida amiga. Um poema maravilloso e me sinto identificada em muitas coisas...
É uma maravilla poder vir e encontrar coisas täo belas na tua "casa".
Um beijo grande,

Luma Rosa disse...

Não dá para cair no lugar comum e dizer que também me cansei. Cansei, mas do amor queremos retornar e cansar de novo. Por que mesmo que dê trabalho é melhor o amor, do que o desamor! Boa semana! Beijus,

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

e esse cansaço toda conta de todos