Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

terça-feira, 29 de maio de 2012

Flores


Alentejo, Maio







Era preciso agradecer às flores 
Terem guardado em si, 
Límpida e pura, 
Aquela promessa antiga 
Duma manhã futura. 


                Sophia de Mello Breyner Andresen






13 comentários:

Jorge disse...

Bucólica e contrastante paisagem, ameaçada por um céu atro, em que uma frondosa àvore, ousa proteger uma paisagem verdejante, salpicada de flores vibrantes, vermelhas e azuis, que perspectivam um amanhã sucesso vital.
Abrs

Rogério Pereira disse...

Sophia
Safira

Sonhadora disse...

Minha querida

Lindo o poema de Sophia e maravilhosa imagem do nosso Alentejo.

Beijinho com carinho
Sonhadora

Isa Lisboa disse...

Há tanto a agradecer às flores..!

maria joao moreira disse...

e se pudessemos agradecer às flores, o que lhe diríamos?... é adorei imagem e palavras... é sempre um prazer visitar-te!
abraço

Margarida disse...

Tenho saudades do Alentejo... suas e das suas aulas.

Beijinhos

Andradarte disse...

Maravilhoso...pensando muito numa
'manhã futura'....
Beijo

Fê-blue bird disse...

Amiga, acredita que as paisagens alentejanas são a minha paixão.
A foto é belíssima, o poema engrandece-nos.

beijinhos

sofia disse...

É algo muito bonito.
E o poema também! beijinhos

Bípede Implume disse...

Querida Aninha
Que imagem belissima com as palavras igualmente belas de Sophia.
Bem que precisamos de alguma beleza no nosso quotidiano.
Vou mandar-te um e-mail.
Beijinhos e até breve.
Isabel

irneh disse...

Linda imagem, Ana.
Tem um fim de semana calmo.

Beijinhos

Luma Rosa disse...

É suspirar e pensar no futuro!! Se for florido e oxigenado, melhor ainda!! Bom fim de semana!! Beijus,

Olinda Melo disse...

Querida Ana


Imagem e poema de Sophia em perfeita sintonia.

Bom fim de semana.

Bjs

Olinda