Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 9 de dezembro de 2012

Cada coisa...

google




Cada coisa tem o seu fulgor,
a sua música.
Na laranja madura canta o sol,
na neve o melro azul.
Não só as coisas,
os próprios animais
brilham de uma luz acariciada;
quando o inverno
se aproxima dos seus olhos
a transparência das estrelas
torna-se fonte da sua respiração.
Só isso faz
com que durem ainda.
Assim o coração.


                Eugénio de Andrade


É Domingo, eu sei. Com o sol a esmorecer num dia azul, ibérica escrava dos senhores do império, trabalho ainda.


17 comentários:

Maria Luisa Adães disse...

Mil comentários por trazer a beleza de Eugénio de Andrade. Lindo!

Abraço,

Maria luísa

Fê-blue bird disse...

Uma coisa bela esta que nos ofereces, apesar de tudo.


beijinhos amiga tem uma boa semana

Andradarte disse...

Gosto de Eugénio de Andrade
Boa semana
Beijo

Rogério Pereira disse...

Ana

Belo interregno
De teu trabalho

(e se mandássemos lixar os senhores do império?)

Teresa disse...

Salve-nos a poesia!
Beijinhos
(Também acabei agora de ver testes!)

São disse...

Ah, minha querida, o poema é bonito...mas essa tua escravatura sob o jugo de idiotas criaturas me deixa triste!

Abraço apertado

Zilani Célia disse...

OI ANA!
LINDOS VERSOS.
ESCOLHESTE BEM.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Simplesmente maravilhoso este poema de Eugénio de Andrade. eu adoro.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Lídia Borges disse...


Haverá ainda que dizer de uma poética tão rente à maravilha?

Um beijo

Margarida disse...

Espero que esteja bem, querida professora.

Beijinhos

Jorge disse...

Citando Eugénio de Andrade:
........
Passamos pelas coisas sem as ver
Gastos como animais envelhecidos
.............
Tempos difíceis OS DE AGORA. Fazem lembrar os de antigamente em que não havia leis do trabalho.
Bj
J

vieira calado disse...

Se foi procurar bons poemas...
então, valeu a pena!

beijinho para si!

Bípede Implume disse...

Querida Aninha
Estou como diz o Vieira Calado.
Valeu a pena.
Eles podem tirar-nos tudo, mas a capacidade de ter beleza e criar beleza, não.
Podes ser uma "pequenina luz bruxuleante" como diz Sena, mas mesmo assim brilhas.
Beijinho de amizade
Isabel

Nilson Barcelli disse...

Mas o domingo não é dia de descanso...?
Professor sofre...
Gostei da tua escolha poética.
Um beijo, minha querida amiga.

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

Silenciosamente ouvindo... disse...

Gosto muito do Eugénio de Andrade.

Venho desejar um Feliz Natal a si
e sua Família.
Bj.
Irene Alves

Luma Rosa disse...

Apesar da labuta, o que importa é que tens sentidos para captar a beleza à sua volta!! Saúde e paz!! Beijus,