Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 13 de janeiro de 2013

Desassossego


Edgar Mueller

Hoje, farta de notícias manipuladoras e de incúria, deu-me para reler excertos de Bernardo Soares, Livro do Desassossego. Retenho uma passagem, bem a condizer com os tempos que vivemos:


«Essas criaturas tinham todas vendido a alma a um diabo da plebe infernal, avarento de sordidezas e de relaxamentos. 
Viviam a intoxicação da vaidade e do ócio, e morriam molemente, entre coxins de palavras, num amarfanhamento de lacraus de cuspo. 
O mais extraordinário de toda essa gente era a nenhuma importância, em nenhum sentido, de toda ela. Uns eram redatores dos principais jornais, e conseguiam não existir; outros tinham lugares públicos em vista do anuário e conseguiam não figurar em nada da vida;[...]». 

E, eu, que dizem ser eclética (ao ponto de usar o wok para saltear os meus cozinhados vegetarianos e para confeccionar as migas alentejanas), dou por mim a pensar que vivemos numa estranha ilusão óptica, ao jeito das composições de Edgar Mueller. 

Vivemos o desassossego, essa estranha palavra de cinco «s» - nem precisamos de maiores simbologias...

Ana






11 comentários:

JP disse...

Essa estranha palavra com cinco esses, realmente, mas mais esses vivemos nos dias de hoje.


Beijinho e boa semana

São disse...

Minha querida, será que Portugal ficou encurralado em algum escuso recanto do Tempo??

Bom serão

Bípede Implume disse...

Querida Aninha
O que eu gostei das palavras"lacraus do cuspo"...absolutamente.
Os Deuses esqueceram-se de nós, entregues a esta sorte mesquinha.
Até quando....
Gostei da aplicação que dás ao wok. Vou experimentar as migas, que adoro.
Beijinho e coração ao alto.
Isabel

Fê Blue bird disse...

Minha amiga este livro tem passagens perfeitas para o desassossego permanente em que vivemos.
Escolha perfeita de Edgar Mueller para ilustrar este teu post.

beijinho

Nilson Barcelli disse...

O desassossego é geral. Até os desassossegadores estão desassossegados...
Muito oportuno o teu post.
Beijo, querida amiga.

Isa Lisboa disse...

Parece-me uma boa passagem, esta!

(Migas alentejanas no wok? Parece-me interessante, só me ficam a faltar os espargos para fazer a minhas migas preferidas ;) )

Beijos

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Ana; Excelente post....
Em certo sentido, a direita tem razão quando se identifica com a tranquilidade e com a ordem. A ordem é a diuturna humilhação das maiorias, mas sempre é uma ordem - a tranquilidade de que a injustiça siga sendo injusta e a fome faminta.
~Eduardo Galeano

Cumprimentos

Luma Rosa disse...

Agora querem culpar a física quântica pelos caminhos errados que os indivíduos seguem dentro da sociedade. Não acredito que esse seja um carma dos portugueses. Beijus,

Margarida disse...

Espero que esteja tudo bem consigo, querida professora.

Beijinhos,
Sara

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Palavras que infelizmente continuam muito actuais, o desassossego vai continuar por muito tempo.


Um beijinho com carinho
Sonhadora

Mel de Carvalho disse...

há, efectivamente um desassossego que nos perpassa a alma, Ana, que nos faz desejar um raio de luz além da barra. para quando?

um prazer lê-la, sempre.

beijinho

Mel