Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Auto da Fé

Tulipa laranja


Leio mais um processo inquisitorial. Surpreende-me, outra vez, este rigor miudinho de antanho. Minúcia e excelência no trabalho jamais se identificaram com o Bom, com o ético...A luz coada que entra no silêncio casulo da Torre do Tombo acolhe velhos judeus que caminham, ainda, pelas ruas frias de Amesterdão.
Manuel Bocarro Francês - médico, matemático e astrónomo - que há-de ser, depois, aquilo que fora - Jacob Rosales - anda por Hamburgo, conversa com Kepler e seguirá para Roma para publicar a sua obra sob os auspícios de Galileu Galilei. Os príncipes da Europa reclamam os seus cuidados médicos e a morte surpreende-o em Florença quando  cuida da duquesa de Strozzi.
Homens sábios, afáveis e justos desfilam sob os meus olhos à crua luz lisboeta do século dezassete. Estão nos Autos. As suas vidas foram afastadas de um país mesquinho em que uma escuridão se adensa, como espectáculo mundano, ali, de costas para o Tejo. 
Autos da Fé, do medo e da coacção.

Emigradas da Turquia, com seus turbantes coloridos, tulipas ladeiam o meu jardim. Vieram da Holanda num dia de Verão, nas mãos do meu filho, e recordam-me que fui capaz de passar o testemunho. 

Não podemos abdicar. O Carnaval que enche as nossas praças seculares há-de ter um fim.

Ana


10 comentários:

Rogério Pereira disse...

Nada é eterno
Nem o demónio.
Menos ainda os que lhe entregaram a alma, neste carnaval de chamas frias, onde nada arde a não ser a justiça dos deuses...

Mel de Carvalho disse...

Ana, sejamos nós
hoje
ainda
e sempre
capazes de passar o testemunho.

este Carnaval de antanho terá, necessariamente, que findar sob a luz desta Lisboa que parece, por agora, não abrander São Bento...

beijo, Ana. grata pela partilha
Mel

Fê Blue bird disse...

Não abdicaremos minha amiga.
E essas tulipas hão-de sempre florescer.
Beijinho emocionado

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida Ana

Que as tulipas continuem a florescer nos nossos corações.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

São disse...

Que as tulipas nunca murchem, Anita.

E que tenhamos sempre coragem de enfrentar a maldade nos olhos e de a denunciar.

Desejo-te bons sonhos.

Andradarte disse...

....terá um fim....um será tudo um carnaval constante.....??
Não será já...a vida um carnaval...
Bom Domingo
Beijo

Petrus Monte Real disse...

Ana,

As tuas palavras
constituem
um verdadeiro
auto de esperança...

Muito grato por nos recordares que alguém resistiu à perseguição e morte
por pertencer a uma raça e defender ideias de justiça e de verdade!

Tempos difíceis
esses, de ontem e de hoje,
com que a História nos ensina a lidar...

Não abdico
do futuro!
Um grande abraço

Jota Effe Esse disse...

Enquanto esse fim não chega, brinquemos com alegria, porque o Carnaval é a festa da alegria. Meu beijo.

Isa Lisboa disse...

Não devemos abdicar...

Beijo

Fernando Santos (Chana) disse...

“O que são as pessoas de carne e osso? Para os mais notórios economistas, números. Para os mais poderosos banqueiros, devedores. Para os mais influentes tecnocratas, incômodos. E para os mais exitosos políticos, votos.”
~Eduardo Galeano
Cumprimentos