Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

O Asteróide 2012 DA14 e as Fénix


Esse baixel nas praias derrotado
Foi nas ondas Narciso presumido;
Esse farol nos céus escurecido
Foi do monte libré, gala do prado.


Meteorito, Cheliabinsk, Rússia



Esse nácar em cinzas desatado
Foi vistoso pavão de Abril florido;
Esse Estio em Vesúvios encendido
Foi Zéfiro suave, em doce agrado.

Asteróide 2012 DA14
Se a nau, o Sol, a rosa, a Primavera
Estrago, eclipse, cinza, ardor cruel
Sentem nos auges de um alento vago,

Vaticano, 12 - 2 - 2013

Olha, cego mortal, e considera
Que és rosa, Primavera, Sol, baixel,
Para ser cinza, eclipse, incêndio, estrago.

Francisco de Vasconcelos Coutinho 
in Fénix Renascida III
(Portugal-1.665/1.723)

9 comentários:

JP disse...

Ana, que te deu?:)))

As coisas estranhas da vida...que a História há-de contar.

Olhamos nós os cegos mortais...mas como havemos de ver?

Beijinho

Vítor Fernandes disse...

Grande poema, grandes ilustrações. Belíssimo sentido de oportunidade.

Rogério Pereira disse...

Belo e oportuno...
Por mim, nunca esperei de cima
O que sei estar aqui em baixo

Falo do risco e da salvação

São disse...

Estupendo post, amiga!

Bom fim de semana

Petrus Monte Real disse...

Ana,

O poema tem lá tudo:
Ficamos a pensar que as palavras jogam com a Vida!
E protegem-nos!

Grande abraço

Andradarte disse...

Post muito bonito, com tema tão
atual....
Bom f.s.
Beijo

Nilson Barcelli disse...

Magnífico e muito oportuno.
Gostei.
Ana, minha querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.

Jorge disse...

Olá, Amiga ANA!
Sublime imaginação e criatividade, num poema belíssimamente ilustrado, demonstrativo de quão grande é a nossa cegueira face aos avisos e fenómenos da Natureza.
Abrs e bom fim-de-semana.
J

Isa Lisboa disse...

Um post muito bem "apanhado"!

Beijo, bom fim de semana