Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Haidamaky

Taras Shevtchenko


Oksana lia com um sotaque de leste poetas que eu desconhecia e ela própria traduzira. Disciplinada e metódica, fê-lo durante três anos no seu projecto individual de leitura, obrigação de cada um dos meus alunos. Queria ser diplomata e o seu excepcional conhecimento de línguas estrangeiras poderia ter sido o outro caminho. 
Os textos que escreveu trouxeram-me esse país frio de grandes poetas e de uma Literatura riquíssima. Num exame nacional de português, aprimorado, entrou para a UTL. Jovem e consciente seguiu por outro caminho, mais eficaz e realista, que isto de ser diplomata em Portugal é coisa de outras linhagens...

Atestei-lhe a cidadania portuguesa e agora, minha amiga, Oksana como eu lê a tradução do seu distante poeta épico na língua de Camões. Enquanto isso, lá longe, Kiev regurgita.


Liga Europa: jogo de Kiev vai ser disputado no Chipre
Kiev, 2/2014


[...]
Filhos meus, ainda infantes -
 desarrazoados e imprudentes!
 Quem vos acolheria nos braços,
 senão a própria mãe, que vos
 acalentou os sonhos d’antes?..

Filhos meus! Águias bravas!
 A caminho da Ucrânia, -
 se as desgraças lá houverem,
 não serão elas dos outros.
 Haverá gente decente e boa
 que não dará vez à morte.

Aqui… aqui. Tudo é estranho!

[...]


                                      Taras Shevtchenko, Haidamaky











  1. Taras Shevtchenko, foi um poeta, pintor, desenhador, artista e humanista ucraniano. Foi fundador da literatura moderna ucraniana e visionário da Ucrânia moderna. Sua maior obra foi a colectânea poética Kobzar. Wikipédia

12 comentários:

Ana Tapadas disse...

Oksana ZM
Já li, Professora. MUITO OBRIGADA! Por tudo! Lembro-me tão bem das suas aulas, onde nos ensinava não apenas as matérias das disciplinas, como também, nos preparava para o que nos espera lá fora. E preparou. Da melhor maneira! Sempre tão atenciosa, querida e honesta para com cada um de nós... São imensas saudades!

(Não resisti a trazer do FB)

Ana Tapadas disse...

No sistema educativo actual, só os alunos ainda fazem sentido...

Rogerio G. V. Pereira disse...

"Haverá gente decente e boa
que não dará vez à morte."

(Eu também não teria resistido)

eduardo maria nunes disse...

Kiev a arder,
O povo não desiste
O governo no poder
O bom senso não existe!

Boa noite para você,
amiga Ana Tapadas, um beijo.
Eduardo.

Mar Arável disse...

O povo é quem mais ordena?

duartenovale disse...

Que dizer? dizer que a Imortalidade da Alma , está na Liberdade de A ter? ...
Gostei. como sempre, aliás.

Abraço daqui.

Fê blue bird disse...

" Haverá gente decente e boa que não dará vez à morte."

70 vidas ceifadas...

Estou neste momento a ver as imagens horríveis desta tragédia.

Até quando ?

beijinho comovido.


Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Coisas (muito) complicadas, estas das guerras dos homens...

Sobre a educação, só os alunos fazem, de facto, ainda sentido...


beijo amigo

Isa Lisboa disse...

Parabéns à aluna e à professora (pelo poema e pela partilha!)
Um abraço

Fa menor disse...

Tristezas... dores de alma.

Bjo

Olinda Melo disse...


É tempo de conhecermos essas culturas, com a sua literatura, a sua arte, a sua forma de vida, que se encontram ainda envoltas numa bruma incompreensível.
Querida Ana, muito obrigada, por nos trazeres esta luz, este autor, esta história de vida tão rica.

Beijos

Olinda

Laura disse...

É bom conhecer uma coisa boa no meio de toda a escuridão que assola a Ucrânia. Beijinhos Professora