Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Algum dia

Vladimir Kush, Ascent of the Spirit


Algum dia subiremos por ali,
Eremitas verdadeiros e quietos.

Algum dia, o Homem ainda espera
Que a matéria do sonho se exale.

Algum tempo folheará o Ideal
E a medida das coisas estará incólume.
Sábios seremos e serenos somos!

Ana



13 comentários:

heretico disse...

... e todas as profecias serão o chão da Humanidade

sábias e belas. tuas palavras

Andradarte disse...

Belo e profundo....
Beijo

Edumanes disse...

Algum dia é verdade,
foi verdade naquele dia
chegou a liberdade
que o ditador não queria.

Que fossemos sábios,
também ele não desejaria
às suas ideias contrários
fracos melhor nos dominaria!

Boa noite amiga Ana, um beijo,
Eduardo.

Fê blue bird disse...

Aguardo ansiosamente esse dia minha amiga.

Um beijinho já melhor da constipação :)

Mar Arável disse...

Um dia será de novo dia


Majo disse...

~~~
Com mágoa

vejo longínquo esse dia,

porém, tenho a certeza que acontecerá.

~~~ Beijinho, Ana. ~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Jaime Portela disse...

E de gente sábia e serena é do que mais precisamos.
Excelente poema, parabéns por mais esta pérola poética.
Bom fim de semana, querida amiga Ana.
Beijo.

DE-PROPOSITO disse...

Algum dia o sonho se concretizará. E n'esse momento haverá a felicidade plena.

Tudo de bom por aí
MANUEL

AC disse...

O homem, por maiores que sejam os obstáculos, tem um eterno percurso a fazer do qual nunca se poderá desviar.
Muito bem, Ana!

Um beijinho :)

São disse...

Que a profecia se cumpra !

Beijinhos doces ,Aninhas.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Nunca é tarde
se o queremos tanto

CÉU disse...

hoje, e sem querer imitar os novos escritores e suas modernidades na escrita, mas sim por estar a passar por um período nada satisfatório com a minha mão dta, escreverei sem maiúsculas e sem alguns sinais de pontuação.

acredito que esse tão desejado dia chegará. a intervenção divina tarda, mas não falha.

beijos.

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Ana.
Não sei se creia, mas vive em mim uma réstia de esperança. A esperança agarra-nos à vida.

bj amg