Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 19 de junho de 2016

Recordando...

Salvador Dalí, 1936 (O Grande Paranóico)

« Eis o espectáculo do mundo, meu poeta das amarguras serenas e do cepticismo elegante. Desfruta, goza, contempla, já que estar sentado é a tua sabedoria...», J. Saramago, O Ano da Morte de Ricardo Reis



Sol




7 comentários:

Majo Dutra disse...

~~~
Ironia excelente e oportuna...

Urge ser interveniente!

Abraço, Ana.
~~~~~~~

Rogerio G. V. Pereira disse...

Sete-sóis está triste
mas a memória é o que é

mixtu disse...

vou deixar de estar sentado :)

POESIAS SENSUAIS E CONTOS disse...

A vida em movimento. Uma bela e inspiradora semana

Graça Pires disse...

Saramago e a sua visão lúcida e profética...
Um beijo, Ana.

heretico disse...

... e que, noutro lugar, fora do tempo e do espaço, uma menina coma chocolates!

beijo

Olinda Melo disse...


Li este livro de Saramago, entre alguns outros, quase todos :)
Achei interessantíssimo que Saramago tivesse terminado o traba-
lho de Fernando Pessoa no que a Ricardo Reis diz respeito.
Uma criatura que sobrevive ao seu criador. Com Ricardo Reis
andei pela bela Lisboa e revisitei alguns lugares...e também
fiquei a conhecê-lo um pouco melhor com a ajuda do nosso
laureado. Uma ideia genial a dele!

Beijinhos

Olinda