Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 2 de junho de 2016

«Lamber as botas»

François de Nomé (1593 – 1620)/Monsú Desiderio

Acontece-me pensar na fragmentação enquanto forma de dissolução das sociedades. As fracturas são feridas que se instalam no seio dos pequenos grupos organizacionais e ilustram a decadência. Pseudoafinidades são jogos de interesses miudinhos e formam células de podridão que servem uma influência narcísica e frágil. Dúbias figuras transversais sobem nas hierarquias, como lesmas, na baba que segregam. Deslocam-se em todos os grupos sem qualquer sentido de pertença ou de Ideal - sem gnose e sem fé.

Cheguei a um tempo reflexivo. Observo e laboro com o mesmo afecto. Concluo da ausência das Humanidades e deste efeito catastrófico, desta futilidade vigente que tudo mistura, deste nulo em que se afundam as sociedades ocidentais, os seus grupos sociais, principalmente os profissionais...

Só quem não conhece o fundamento vão do absolutismo, ou não leu o seu mentor, poderá passar à margem do velho escrito civilizacional que, hoje,  no final de mais um ano lectivo, aqui vos deixo.

vanitas vanitatum et omnia vanitas

(Vaidade das vaidades, e tudo é vaidade.)

 Conclusão melancólica do Eclesiastes (XII, 8), sobre a pequenez das coisas deste mundo.


Ana

14 comentários:

Edumanes disse...

São os lambe botas,
parasitas da sociedade
vendem vaidade às postas
as expensas da liberdade!


Boa noite e boa fim de semana,
amiga Ana, um beijinho,
Eduardo.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Leio teu texto, e digo de mim para Minha Alma:
Vês?, é assim que se descreve o Mundo, ou pelo menos a sua parte má!

Sara com Cafe disse...

Pseudoafinidades... que palavra!! Tao apresentada home em dia.

abraco profundo,
e lindo final de semana.

heretico disse...

bem falta (nos) faz o regresso aos clássicos e às Humanidades...

beijo

Graça Pires disse...

" Dúbias figuras transversais sobem nas hierarquias, como lesmas, na baba que segregam."
Bem, Ana, o teu texto é denso e com verdade nua e crua... Fantástico!
Beijos.

Majo Dutra disse...

~~~
A mensagem que todos gostaríamos de passar...

Como é atual o Eclesiastes,

passados cerca de 3 000 anos!

Beijinhos, Ana.
~~~~~~~~~~~~~

Vieira Calado disse...

Bom, o texto, bem enquadrado.

Saudações minhas!

Mar Arável disse...

O serviço privado pode ser um serviço público
desde que seja requisitado
se não for
que paguem
Bj

Bípede Implume disse...


Querida Aninha
Atafulhada em trabalho...agora que descobrimos a beleza de estar no campo, e mais um cão para animar.
Aninha, minha amiga alentejana, esta sociedade tem elementos que nos fazem descrer num mundo melhor... mas depois existem pessoas como tu com força para ultrapassar essas lesmas viscosas, e transformar esse mesmo mundo.
Basta passar a palavra.
É a minha esperança.
Beijinhos de muita amizade.

Fê blue bird disse...

Tanto desencanto minha querida amiga.
Ser sensível num mundo cheio de vaidade é muito complicado.
Segue a tua luz!

Um beijinho solidário

Petrus Monte Real disse...

Compreendo o que dizes: "(...)interesses miudinhos... Dúbias figuras..." e sinto que o quotidiano é assim.
É preciso sonhar, sonhar!
Muito grato
Beijo de amizade

Jaime Portela disse...

Um retrato bem realista da sociedade atual.
Onde a mediocridade é extensa e intensamente premiada por medíocres, com o silêncio perturbador dos mais capazes.
Parabéns por este excelente texto.
Ana, tem um bom fim de semana.
Beijo.

CÉU disse...

olá, Ana...

que é feito de ti... há imenso tempo k não nos visitamos, mas k eu saiba, nenhuma de nós foi inconveniente para com a outra.

Passamos a vida a dizer e a escrever sobre esta temática, mas não vejo modificação para melhor.

beijinhos e bom final de semana.

Olinda Melo disse...


"Dúbias figuras transversais sobem nas hierarquias,
como lesmas, na baba que segregam."

Pelos vistos um problema quase tão velho como o
mundo.

Muito obrigada, minha amiga.

Beijinhos

Olinda