Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 3 de janeiro de 2009

Eli, Eli ... Allah Irahmu


Rafael, séc. XV, Criação da mulher

A morte?
Trouxe-a o vento,
gelada como um lamento,
dorida como o Suão.




Bergner Yosel, pintor israelita


A morte?
Trouxe-a o tempo
pregada no esquecimento
dos cravos
que a cruz tem.



Mona Hatoum, artista palestino

A morte?
Trouxe-a o deserto
e a lua ali tão perto
tapou metade
do rosto.
***
A morte?
Perdeu-se em profecias!


Ana


5 comentários:

ADRIANO NUNES disse...

Ana,

Belíssimo! Parabéns!

Beijos,


Adriano Nunes.

comboio turbulento disse...

não sei onde foste buscar as imagens lindíssimas( e com o cuidado da imparcialidade na selecção) mas sei que criaste um conjunto de palavras que manejaste de forma hábil e a que deste um sentido ainda mais profundo.parabéns

Sara Margarida disse...

Feliz Ano Novo!

EternaApaixonada disse...

*****

Um prenúncio da beleza, sensibilidade, bom gosto para este ano!
Boas postagens! Nós seus amigos leitores agradecemos!
Beijos

*****

ADRIANO NUNES disse...

Ana,

Não conheço tal obra de que me falou. Como poderei ter acesso a ela? Aguardo em meu blog sua resposta! E mais uma vez obrigado pela visita e que sua mãe logo se recupere!


Abraços!
Adriano Nunes.