Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Amar a manhã


Will Barnet, Seventh Season, 1975




Sei que virás...
Como o céu claro
De uma Primavera sem nome!
E ao seio da vida tu trarás
O sorriso azul e raro
Que saciará a minha fome.
E, beijando esta certeza
De sol a amar a manhã,
Brota a vida dos teus braços
Numa sublime pureza
De saber tua alma minha irmã
E seguir o ritmo dos teus passos!
Sei que virás!

Ana


4 comentários:

Janaina Amado disse...

Um poema de esperança e confiança, Ana, que bom - eles são raros, hoje em dia!

duarte disse...

O momento aproxima-se
e estaremos atentos à chegada
abraço do vale

Flor ♥ disse...

Oi, Ana

Um lindo poema, minha querida!


Que teus dias sejam sempre plenos dessa esperança!

Beijinhos...

comboio turbulento disse...

gosto do texto e do quadro. belo conjunto