Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 25 de abril de 2010

Políticos desiludem, a poesia permanece...

wikimédia



Era um Abril de amigo Abril de trigo
Abril de trevo e trégua e vinho e húmus
Abril de novos ritmos novos rumos.


Era um Abril comigo Abril contigo
ainda só ardor e sem ardil
Abril sem adjectivo Abril de Abril.


Era um Abril na praça Abril de massas
era um Abril na rua Abril a rodos
Abril de sol que nasce para todos.


Abril de vinho e sonho em nossas taças
era um Abril de clava Abril em acto
em mil novecentos e setenta e quatro.


Era um Abril viril Abril tão bravo
Abril de boca a abrir-se Abril palavra
esse Abril em que Abril se libertava.


Era um Abril de clava Abril de cravo
Abril de mão na mão e sem fantasmas
esse Abril em que Abril floriu nas armas.

Manuel Alegre, o poeta - que fique bem claro!

18 comentários:

JPD disse...

Para nossa felicidade somos contemporâneos da obra de excelentes poetas e de acontecimentos relevantíssimos da nossa História.

Enche-me de orgulho.

Bjs

Nato disse...

ah gostei muiito daqui!!!
gostei do poema =D
a te segui
se der passa la


CAOS MUNDIAL - CLICA AQUI , SEGUE E COMENTA??

Nato disse...

ou melhor não consegui te seguir!!
não achei os seguidores!!!

###a.l.#### disse...

Poesia e Evolução Humana
Ensaio sobre a importância da poesia para a humanidade
Autor: Orácio Felipe
Descrição :
Qual a contribuição da Poesia para a evolução da humanidade? Numa rápida abordagem conversamos com os leitores sobre o significado e importância da poesia para "derreter" as algemas que muitas vezes nos aprisionam. A poesia é também uma manifestação simbólica, que revela o universo do autor mas também influi no universo do leitor, proporcionando uma expansão da consciência. Em muitos casos leva até a revolução. Listando algumas poesias e músicas evidenciamos momentos onde a evolução cultural beirou a revolução e libertou. Quiçá pudéssemos alimentar nossos educandos com boa literatura desde tenra idade.

www.clubedosautores.com.br

Janaina Amado disse...

Título perfeito, este da sua postagem, Ana. E lindíssimo poema de Manuel Alegre, um dos mais emocionantes poemas de um de meus poetas contemporâneos preferidos. O que posso querer mais?:-)
Ótima semana para você.

Sonhadora disse...

Minha querida
Lindo poema, uma bela homenagem a ABRIL.
Embora os cravos estejam um bocadinho murchos, mas para mim, será ABRIL, sempre.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Domenico Condito disse...

Última actualização do blog “Utopie calabresi”:
"Alegre tem cátedra em Pádua"
É inaugurada em Pádua a cátedra com o nome de Manuel Alegre, dedicada à língua, literatura e cultura portuguesas.

Abraço

Antoniatenea disse...

Era un Abril de 1974...los claveles florecieron en Portugal y en España nos encantó verlo!!
Preciosa tu entrada, como siempre!!!

LUNA disse...

Um abril de chuvas, de aguas mil...
De flores frescas, cheias de orvallho
De poesías de mañäs cheirosas, suaves
De doces beijos, baixo o carvaho....

É a primavera....
Um beijinho

Andradarte disse...

Também coloquei um post
de Manuel Alegre.
Mas o seu não conhecia
Beijo

disse...

É muito bom o poema, e uma grande homenagem ao 25 de Abril.
Bj

Nato disse...

vlw pela visita
volte sempre..

ja comentei nesse post!!
otima semana pra você!!! abraços

CAOS MUNDIAL - CLICA AQUI

Nilson Barcelli disse...

O título do post é elucidativo... e concordo contigo.
Beijos, querida amiga.

Gerana Damulakis disse...

Gosto muito da poesia de Manuel Alegre, tenho um livro dele que me fascina.

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
No meu caso recordo Abril cada vez com mais saudade.
O poema do Manuel Alegre é emocionante ou não fosse ele um artífice da palavra.
Tudo de bom para ti, minha amiga.
Beijinhos
Isabel

Flor ♥ disse...

O poema é mesmo muito eloqüente, pois retrata esse sentimento tão nosso dos sonhos despedaçados...

Beijinhos, Ana!

rita disse...

Gostei do poema (A) Beijinho

Fernando Campanella disse...

Poema inovador, ousado, que brinca com as palavras, e traz a mais bela mensagem sobre libertação e esperança, um novo tempo. Ótimo poeta, o Manuel Alegre. Bjinhos.