Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

segunda-feira, 21 de março de 2011

Urgentemente


Ivan Marchuk, pintor e escultor ucraniano



É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

                                                                  Eugénio de Andrade 





Mediterrâneo

9 comentários:

sofia disse...

Gostei muito!
beijinho*

sofia disse...

Gostei muito!
beijinho*

Fê-blue bird disse...

Neste dia mundial da poesia, uma escolha muito acertada, uma realidade muito triste.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

NUNCA FOI TÃO URGENTE!!!

Beijinhos amiga

Andradarte disse...

Totalmente de acordo com Eugénio de Andrade....Já naquele tempo era
urgente o amor..Bela escolha para o dia..
Beijo

Juℓi Ribeiro disse...

Ana:

Lindo e urgente!
É urgente o amor, é urgente...
Beijo.

Vieira Calado disse...

E no Mediterrâneo

nasceu a grande poesia!

Bjjss

Maria Luisa Adães disse...

Lindo Eugénio de Andrade...

"É urgente o amor
É urgente um barco no mar
É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão, crueldade"...


Sim é Urgente!...

Obrigada por nos levar
até ao Poeta!

Com Saudade,

Mª. Luísa

JPD disse...

Completamente de acordo.

Porém, (Espero a estar a interpretar correctamente) remover ódios, rancores, violência, parece ser tarefa que transcende a condição humana.

A maioria das vezes o que parece ser um mero e fugaz exercício -- Afinal mal sucedido -- parece ser a concórdia e o ecumenismo, pois o mal, tudo o que parece ser irracional é que singra.

Bjs, Ana

Fernando Campanella disse...

É urgente o amor, do berço ao túmulo, é urgente saber que, tudo somado, multiplicado, ganho e perdido, o amor é o que nos resta diante do assombro da criação.
Gosto muito de Eugênio de Andrade, Ana, um grande poeta.
Bjinhos.