Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quarta-feira, 2 de março de 2011

Poemas da ciência de voar e da engenharia de ser ave

Pablo Picasso



Ocorre-me agora
a pupila minúscula de uma criança.
A sua engenharia
desde o corpo na guerreira pequenez
ao dedo provador da boca.
Ocorre-me esta criança
este monge da franqueza em seu templo de inocência.
Amo-a. Vivo-a.

Voar é poder amar uma criança.
Sonhar-lhe o peso no colo, as mãos acariciantes
sobre a palma da alma.

Voar é tardar a boca
na rosa do rosto de uma criança.
Pronunciar-lhe a ternura,
a seda fresca e pura
da sua infância.

Voar é adormecer o homem
na mão sonhadora
de uma criança.


Eduardo White, poeta moçambicano

9 comentários:

margarida disse...

Hum.. consigo imaginar porquê justamente este autor!
Beijinhos

Sam Seaborn disse...

Ainda estou a planar…
Grande escolha, o teu já habitual bom gosto por excelência.
Grande beijinho

Laura disse...

Adorei ! Beijinho

JPD disse...

Acho este poema extraordinário por centrar a capacidade sonhadora sem limites na criança.
Só elas são genuínas nesse desiderato.
Estão livres de tabus, barreiras.
Só a elas é possível o sonho na sua pureza.

Magnífica escolha, Ana
Bjs

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Desta vez calhou-me uma constipação. Já lá vai, tratada com chá de limão, mel e um xarope homeopático.
Belo poema. O melhor do mundo são, mesmo, as crianças, mas que mundo estamos a preparar para elas?
Desejo já um bom fim de semana.
Beijinhos de amizade.
Isabel

Sonhadora disse...

Minha querida

Sempre muito bom gosto na escolha dos poemas e as imagens, são feitas de ternura.

Beijinho com carinho
Sonhadora

Baudolino disse...

Bela engenharia, esta evocação.

Anónimo disse...

ser criança... ter tudo de belo, e, ter tudo por alcançar. um futuro de ser homem ou mulher, ser num salto o que se quer.
abraço do vale.
adorei.

Nilson Barcelli disse...

Nunca tinha lido nada deste poeta, que me lembre...
Mas gostei.
Querida amiga Ana, desejo-te um bom Domingo.
Beijos.