Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Eco III - Exortação

Rafal Olbinski


Lembrei-me hoje de um poema de Miguel Torga.
As notícias do mundo correm velozes e cheias de bravatas, numa espécie de erosão do humanismo que há em nós. Imagens de beleza e exotismo converteram-se em rios de revolta e, de palácios intransponíveis, velhos ditadores ameaçam ainda.
Jovens sem rumo vagueiam nas ruas de ricas cidades ocidentais que parecem caminhar para um qualquer ocaso civilizacional.
Lembrei-me hoje de um documentário da BBC.
Regiões do mundo despertam da letargia de milénios e o planeta, em fúrias súbitas, sacode as cidades do homem. Escombros, vistos do conforto luminoso das nossas salas, tomam a irrealidade de uma ficção distante.
Erguem-se da penumbra os profetas sombrios e falam-nos de um calendário esquecido. Profetizam o fim dos tempos e, quiçá 2012 cumpra o seu termo...
Lembrei-me do que somos: pequenos seres no imensurável Universo, capazes, poderosos no nosso humanismo impoluto!
Assim, aqui vos deixo a «Exortação» e o «Hino ao Homem».

Ana

*****

Em nome do teu nome,
Que é viril,
E leal,
E limpo, na concisa brevidade
— Homem, lembra-te bem!
Sê viril,
E leal,
E limpo, na concisa condição.
Traz à compreensão
Todos os sentimentos recalcados
De que te sentes dono envergonhado;
Leva, dourado,
O sol da consciência
As íntimas funduras do teu ser,
Onde moram
Esses monstros que temes enfrentar.
Os leões da caverna só devoram
Quem os ouve rugir e se recusa a entrar.


Miguel Torga

6 comentários:

Nilson Barcelli disse...

O poema é enorme...
O teu texto é magnífico.
Querida amiga, boa semana.
Beijos.

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Ana, gostei do teu texto...como tabém do belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

JPD disse...

Oportuníssima exortação, Ana.

(Continuando a pensar no Norte de África, mantenho a pergunta:
A cultura daqueles povos, ansiando pela mudança, tolera uma evolução para um regime que se aproxime dop modelo de democracia ocidental?)

Bjs, Ana

Sonhadora disse...

Minha querida

Neste poema de torga a explicação do texto...não sei para onde o mundo caminha.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

s. disse...

Lembrei-me disto: "Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade". O caminho mais fácil é o da ignorância, é por isso que existe "a erosão do humanismo".

Não sei se me fiz entender.

Beijinhos

LUNA disse...

Querida amiga, eu sempre achei que a humanidade caminha a distintas velocidades...
Cuando o primer mundo morre de tanto comer e á näo liga prá nada, nossos irmäos árabes despertam dum longo letargo de incultura, de sitaduras e de amarres maléficos...
Bem está, que este mundo de quando em quando, deixe de dormir o sono do opio, da molicie da indiferença e desperte para ver sair o sol para todos.
Beijinhos, querida amiga.