Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

domingo, 10 de novembro de 2013

Haiyan

Filipinas - Novembro, 2013 (O Fluminense, br)
No afago tão calmo do meu país cheio de sol e de luz, nem sequer uma folha o vento agita. Só os homens, alterados, silenciam ou gritam o peso dos dias. A luz deste Verão outonal deslumbra, porque a capa de São Martinho - dizem -  abriga, reconforta e acaricia. 

Lá longe, tão perto deste íntimo humano, os homens apodrecem ao relento...
Sabemos, então, que o Grande Arquitecto do Universo vai desenhando o Futuro.
Ptolomeu já não escreve epístolas a Flora...

 http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/4d/God_the_Geometer.jpg

Ana

6 comentários:

São disse...

Esperemos que não tenham a (pouca) sorte das vítimas do Haiti, que com problemas ainda por resolver, foram dispersadas a balas por se manifestarem...


Abraço, amiga.

Em tempo: tens um poema no "SÃO"

Rogerio G. V. Pereira disse...

Na desigualdade,
Deus tem uma
inexplicável cumplicidade

JP disse...

"Só os homens, alterados, silenciam ou gritam o peso dos dias." Lindo este dizer Ana...

A capa de S. Martinho, ali, esteve ausente...

Beijinho

heretico disse...

o Grande Arquiteto nem se dá conta. tão absorto anda... a traçar as linhas do Futuro.

beijo

Fê blue bird disse...

Por cá, pelo menos o tempo é misericordioso.
Uma vez mais "o Grande Arquitecto do Universo" foi implacável.

beijinho minha amiga





Andradarte disse...

Uma tristeza....Dor imensa
Beijo