Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

terça-feira, 22 de julho de 2014

Ancorados

Grécia, José Alves

Há dias...
Em que o Mediterrâneo se deita
Quieto nas madrugadas 
E uma luz rarefeita 
Aquieta lágrimas
Nuas e esgotadas
Pelas pedras de antanho
Nas calçadas.

E vogam marés de silêncio
No vago rumor deste vento

Ana




4 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

há dias assim (por vezes necessários).

um beijo

:)

Graça Pires disse...

Hoje apetece-me citar o Eugénio de Andrade: "O silêncio é de todos os rumores o mais próximo da nascente".
Gostei muito do teu poema.
Um beijo.

Andradarte disse...

Se não está em férias....está quase....
Boas Férias
Beijo

São disse...

Marés de silêncio em que tudo pode caber...

O poema é lindo , a foto também.


Abraços, ma belle