Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 26 de março de 2009

Das Utopias


Zé - Heraklion

Se as coisas são inatingíveis... ora!
não é motivo para não querê-las.
Que tristes os caminhos, se não fora
a mágica presença das estrelas!

Mário Quintana

8 comentários:

Sara disse...

Não diga isso professora! Então não hei-de ser deste tempo porquê?!
Em relação ao seu post, é tão bom sonhar com o impossível...
Beijinho

Janaina Amado disse...

Mário Quintana é sempre verdadeiro, conciso e... lindo, não é?
Beijo!

Bipede Implume disse...

Cada vez gosto mais de Mário Quintana. Depois, gosto muito destes pequenos poemas que trans- mitem muito. A fotografia parece que faz parte do próprio poema.
Um fim de semana cheio de estrelas para ti, amiga.
Beijinhos.
Isabel

comboio turbulento disse...

Sejamos realistas, sonhemos com o impossível.
O sonho é o único direito que todos temos garantido. Eu dou-lhe valor

Flor ♥ disse...

Boa noite, Aninha...

é sempre uma delícia ler Quintana em sua sabia simplicidade!

Busquemos nossas utopias, que elas deixam de ser!

Beijos!

duarte disse...

O sonho...por vezes ao alcance de um passo, de um gesto, de um pensamento...
é preciso querer.Que de resto tudo existe...
abraço do vale a contar estrelas

luzdeluma disse...

Esperança, acho que é essa a palavra!

Lindo o Quintana!! Pessoa especial!!

Beijus

Dédalus disse...

«Ella está en el horizonte. Me acerco dos pasos, ella se aleja dos pasos. Camino diez y el horizonte se desplaza diez pasos más allá. Por mucho que camine, sé que nunca la alcanzaré. ¿Para qué sirve entonces la utopía? Para eso sirve, para caminar.»

Eduardo Galeano.

Un fuerte abrazo, Ana.