Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

O Portugal Futuro


António Silva Porto, Ceifa, 1884?


O Portugal futuro é um país
aonde o puro pássaro azul é possível
e sobre o leito negro do asfalto da estrada
as profundas crianças desenharão a giz
esse peixe da infância que vem na enxurrada
e me parece que se chama sável


António Ramalho, Margens do Sena, 1882


Mas desenhem elas o que desenharem
é essa a forma do meu país
e chamem elas o que lhe chamarem
Portugal será e lá serei feliz



António Carneiro, Sinfonia Azul, 1910



Poderá ser pequeno como este
ter a oeste o mar e a Espanha a leste
tudo nele será novo desde os ramos à raiz



António Pedro, Intervenção Romântica, 1940


À sombra dos plátanos as crianças dançarão
e na avenida que houver à beira - mar
pode o tempo mudar será verão
Gostaria de ouvir as horas do relógio da matriz
mas isso era o passado e podia ser duro
edificar sobre ele o Portugal futuro

Ruy Belo, 1970

8 comentários:

veredit disse...

Ein wunderschöner Text mit tiefer Liebe zu Portugal!

beijo Isabella

Flor ♥ disse...

Nada como o amor da pátria cantado por tão lindos versos... enternecem-me!

Uma semana de muita paz e tranquilidade, querida amiga!

Bjs.

EternaApaixonada disse...

Que o futuro seja sempre belo em toda sua extensão da beleza!
Entre um espirro e outro (alergia...) ... risos... Passeio pela blogosfera deixando meu carinho aos amigos queridos!
Receba o meu, amiga irmã do coração!
Lindo fim de semana, descanse bem!!!
Beijos

comboio turbulento disse...

Por coincidência, visitei esta semana a casa-oficina de António Carneiro, um pintor que muito admiro.

Janaina Amado disse...

Que lindo. Realmente, com os últimos resultados, o Portugal futuro será ainda mais belo e feliz.

claudio rodrigues disse...

OI, Ana, obrigado pela visita. Adorei teu blgo tb, que conheci bisbilhotando o da Janaina. Já estamos engatados, com certeza. Banho-me com a poesia portuguesa. Lava-me a alma! Nutre-me essa língua bela que é tão sua e tão nossa! Amém!

Gerana Damulakis disse...

Um poema, ao fim e ao cabo, de amor. De amor pela pátria. Em Portugal, sinto-me em casa. Afinal, "minha pátria é a língua portuguesa".
Adorei o blog.

Luma Rosa disse...

Ruy Belo consegue escrever com simplicidade e ser profundo, grandioso - obrigada por trazê-lo à tona!

Ana, gosto também de "José Homem dos sonhos", conhece?

Boa semana! Beijus,