Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Reis e heróis

Goya, A Carga dos Mamelucos

Varamos, uma vez mais, a planície. Águias, pousadas e pensativas no alto de velhos postes telefónicos, espreitam a nossa passagem. Contemplam e não se assustam. Pressentem a nossa comunhão com este espaço em que sinais de abandono sublinham o vazio. Um céu de chumbo pesa sobre nós. Desabará a seguir sobre as linhas de Elvas e, na erosão, ameaçará apagar a História.
Cruzamos o Caia.
O Reino de Badajoz, também conhecido como Emirado de Badajoz ou Taifa de Badajoz é, ainda, um estilhaço do Al-Andalus. Atmosfera de um século, talvez X ou XI. O rosto das gentes testemunha-o.
A História destes lugares escreve-se com sangue de muitas gerações em epopeias frementes de ruína e fervor - Francisco de Goya é a paleta dessa gesta.
Mergulhamos na calle Menacho e não compramos nada. A céu aberto o velho general vende de tudo nesta véspera de Reis. Os extremenhos apressam-se na compra de presentes de última hora. Logo à noite celebrarão o apogeu natalício numa cacofonia familiar extraordinária.



Rua general Menacho

Descemos a rua do herói independentista Rafael Menacho y Tutlló e temos plena consciência desta Espanha fragmentária,mal sedimentada pelos séculos, mas assim mesmo crédula de uma identidade abstracta que M. de Unamuno bem soube definir.
Edifícios que comprovam a influência dos irmãos Churriguerra espreitam com fachadas algo disformes. Chocam a pureza de linhas do meu Alentejo e, por isso, nós usamos um termo de corruptela linguística para este gosto arrevesado de Barroco tardio que não se apurou por ter convivido com o neoclássico: «corriqueiro».

Rua Francisco Pizarro

A rua Menacho desagua nesta silenciosa, deserta e fria rua Pizarro, como se uma má consciência a assombrasse mais ainda. O guerreiro destruidor de cultura americana vagueia por aí. Tenho frio. Sinto-me estrangeira.




La Soledad e Giralda

E, de súbito, ficamos entre dois mundos, quando olhamos da Praça de la Soledad - árabes e cristãos velhos enrugaram a fisionomia de Badajoz com os seus edifícios - à minha direita a Igreja de la Soledad, vigiada pela Torre da Giralda.
Sombras e luz. Penumbras e medos.


Praça Alta, Badajoz

E, cá estamos no centro histórico da cidade...local de encontros, cruzamento de culturas.

Ana

15 comentários:

Flor ♥ disse...

Oi, Aninha!

Olha, aproveitei a "carona" contigo e viajei por estas belas ruas de Espanha... tudo muito bonito: a mistura de estilos, e culturas.

Um beijo grande em ti!

Sonhadora disse...

Minha querida Ana
Também iajei contigo..muito bonito.

Beijinho

Sonhadora

LUNA disse...

Querida Ana.
Muito obrigado por tuas palavras no meu blog.
Muito obrigado pelo viajem por parte do meu país, que parabéns, você conheçe bem,
As fotografias säo muito bôas.

Meus desejos de que este ano, seja muito, muito feliz e possa conseguir todos os teus sonhos.
Beijinhos, amigas.

EternaApaixonada disse...

Sempre um caro momento aqui! Transpira beleza... Cultura! E sempre saio sorrindo por mais uma oportunidade rara!
Tenha linda semana, querida amiga!
Beijos

Gerana Damulakis disse...

Chegou a bater saudade. Eu conheço. Revi tudo agora com você.


Ana aquariana: logo os escritores nascidos sob o signo de Aquário faram aniversário. Para eles, farei homenagem no Leitora. Qual a sua data?
Estou torcendo para que seja igual a minha.

Cristina disse...

Lindo passeio muito
interessante.
Beijinhos!

Gerana Damulakis disse...

Nossa!!!
Onde está "faram", leia-se "farão".
Que horror!!! Logo eu, a defensora da língua.

Ana Tapadas disse...

Não te preocupes Gerana! Coisas dessas acontecem.
Beijo

Andradarte disse...

Foi só aprender. Bonito passeio.
Beijo

Bipede Implume disse...

Querida Aninha
Também revi esta cidade. Já faz uns bons anos que lá não vou.
Olá amiga. Já estava com saudades.
Beijinhos.
Isabel

Gerana Damulakis disse...

Muito bem, não é o mesmo dia. Então, me autorize a pegar algum dos seus poemas e não deixe de ir ao Leitora no dia.

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, gostei imenso do teu relato de viagem, bem integrado histórica e fotograficamente.

Bom fim de semana.
Beijos, Ana.

disse...

É muito parecido :)

Janaina Amado disse...

Ai, Ana, como foi bom retornar a Badajoz!

Fernando Campanella disse...

Belo e sensível retrato da Espanha feito por uma alma irmã, e ainda estrangeria. Lindas fotos, adorei a postagem. Grande abraço.