Rara Avis in Terris, JUVENAL, Sátiras, VI, 165

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

«Porque temos uma obrigação»

Fundação José Saramago

« As minhas palavras são de agradecimento. A Fundação José Saramago teve uma ideia, louvável por definição, mas que poderia ter entrado na história como uma simples boa intenção, mais uma das muitas com que dizem estar calcetado o caminho para o inferno. Era a ideia editar um livro. Como se vê, nada de original, pelo menos em princípio, livros é o que não falta. A diferença estaria em que o produto da venda deste se destinaria a ajudar as vítimas sobreviventes do sismo do Haiti. Quantificar tal ajuda, por exemplo, na renúncia do autor aos seus direitos e numa redução do lucro normal da editora, teria o grave inconveniente de converter em mero gesto simbólico o que deveria ser, tanto quanto fosse possível, proveitoso e substancial. Foi possível. Graças à imediata e generosa colaboração das editoras Caminho e Alfaguara e das entidades que participam na feitura e difusão de um livro, desde a fábrica de papel à tipografia, desde o distribuidor ao comércio livreiro, os 15 euros que o comprador gastará serão integralmente entregues à Cruz Vermelha para que os faça seguir ao seu destino. Se chegássemos a um milhão de exemplares (o sonho é livre) seriam 15 milhões de euros de ajuda. Para a calamidade que caiu sobre o Haiti 15 milhões de euros não passam de uma gota de água, mas A Jangada de Pedra (foi este o livro escolhido) será também publicada em Espanha e no mundo hispânico da América Latina – quem sabe então o que poderá suceder? A todos os que nos acompanharam na concretização da ideia primeira, tornando-a mais rica e efectiva, a nossa gratidão, o nosso reconhecimento para sempre».
José Saramago

6 comentários:

Meg disse...

Ana,

Jé tinha conhecimento e acho uma iniciativa muito louvável.
Como esta, outras se impunham, mas ainda acredito que mais se venham a verificar.
Haiti é uma obrigação de consciência para a humanidade.

Um beijo

Sonhadora disse...

Minha querida
Uma boa maneira de ajudar.
Dares este texto a conhecer, também estás a ajudar.

Beijinhos
Sonhadora

Gerana Damulakis disse...

Postamos a mesma coisa. Baita coincidência! Bjo.

Flor ♥ disse...

É... coisas boas ainda acontecem! Sonhemos, então! Ótimo post!

Beijos, Aninha.

Sam Seaborn disse...

Sempre de louvar esforços comuns.

Não faltaram aqueles, gritando do fundo de suas entranhas, possam vir a lançar criticas a uma ajuda internacional quando muito ainda há a fazer no nosso País.

Perante tamanha calamidade, a solidariedade internacional, sempre insuficiente, é o caminho a seguir e só então o fenómeno globalização pode atingir significados honrosos.

Abraço

Nydia Bonetti disse...

Que bom seria se todos fizessem sua parte, não Ana? Que muitos sigam o exemplo.

OBS: O poema visual é da Mercedes (Cosmunicando), numa montagem do Fernando Cisco Zappa. Também achei bárbaro. Eu sou incapaz de qualquer arte. Infelizmente, como se diz por aqui - neguei a raça - Venho de uma famíla de artistas, escultores, mas não herdei o dom. Apenas admiro. :) Beijo!